Livro editado por AND vira filme premiado

A- A A+

A obra A saga de Aleixo Garcia: O descobridor do império inca, da jornalista Rosana Bond, publicada pela Editora Aimberê (vinculada ao jornal A Nova Democracia) foi a principal fonte de inspiração do filme De Meiembipe a Chuquisaca – A descoberta do Império Inca, que será lançado oficialmente pela Fundação Catarinense de Cultura no dia 13 de março, no cinema do CIC (Centro Integrado de Cultura) em Florianópolis.

O documentário curta-metragem, com 25 minutos, realizado pela equipe da diretora Carolina Borges de Andrade (ver mini-currículos nesta página) foi ganhador do Prêmio Catarinense de Cinema.

(OBS: Meiembipe é o nome indígena, guarani, da ilha de Santa Catarina/Florianópolis, local de onde partiu a expedição de Aleixo Garcia. E Chuquisaca é o nome indígena, quêchua, de um estado/departamento boliviano, local na cordilheira do Alto Peru (atual Bolívia), onde os expedicionários chegaram, alcançando o império incaico.)

A seguir, uma entrevista com a cineasta Carolina.

P- Por que um documentário sobre esse assunto? 

R- A era pré-colombiana e o início da era dos descobrimentos, logo após a viagem de Cristóvão Colombo e de Pedro Álvares Cabral, é um período entre desconhecido e nebuloso para o brasileiro, especialmente do sul do país, cujo povoamento colonial avançou pouco até meados do século XVIII, mais concentrado nas áreas litorâneas do nordeste e do sudeste. 

No entanto, entre a descoberta do Brasil em 1500 e o início da sua colonização oficial, inaugurada pela expedição de Martim Afonso de Sousa de 1530, o sul do país viveu uma verdadeira “corrida da prata” após navegantes portugueses e espanhóis encontrarem artefatos deste metal, e também de ouro, na costa brasileira do Atlântico Sul, fruto do intercâmbio entre incas (terras altas) e guaranis (terras baixas). É imprescindível para a identidade brasileira, especialmente a do sulista, o conhecimento da riquíssima história desse período.

P- Como surgiu o projeto do documentário?

R- A ideia do projeto de um filme surgiu após contato com o livro de Rosana Bond A Saga de Aleixo Garcia: O Descobridor do Império Inca. A intenção era retratar a epopeia de Garcia em ilustração, para um filme híbrido de animação e live-action que contasse a saga dessa viagem, ocorrida entre 1524 e 1526, protagonizada por um europeu no "novo mundo" em companhia de guaranis, na mais importante via transcontinental indígena do Cone Sul, o Peabiru. 

Apresentei a ideia para o Pinho, meu marido, experimentado produtor e cameraman de documentários, com histórico de viagens pela América do Sul. Falei também com o Guazzelli, ilustrador amigo e premiado, que mora parte do ano em São Paulo e parte do ano em Florianópolis. 

Juntos apresentamos o projeto à Fundação Catarinense de Cultura. Era uma oportunidade de contar uma aventura em terras sul-americanas antes do início da colonização oficial do Brasil, e revelar a riqueza da cultura dos povos originários da região. 

P- A obra recebeu o Prêmio Catarinense de Cinema?

R- Sim, o projeto foi vencedor do edital Prêmio Catarinense de Cinema 2015/2014, anunciado em outubro de 2016. E foi concluído há pouco tempo, no final de 2018, porque sua confecção teve que envolver uma viagem para outros países, percorridos por Garcia.

P- Por que foi feito usando parcialmente a técnica de animação? 

R- A animação foi o recurso utilizado para compensar a falta de referências iconográficas, como pinturas, representações visuais, etc do sul do Brasil de 1500. É um recurso de linguagem lúdico e didático, sendo ao mesmo tempo uma alternativa para evitarmos os altos custos de uma suposta reconstituição de época para retratar o período.  

P- Como foi filmado? Foi realizada uma viagem de trabalho?

R- Após as pesquisas, a equipe do documentário percorreu diversas cidades construídas sobre a antiga via transcontinental indígena conhecida como Peabiru.

Iniciou-se por Santa Catarina (SC), passando também pelo Paraná (PR) e Mato Grosso do Sul (MS) no Brasil. Depois percorreu-se ainda parte da Bolívia e do Paraguai, na tentativa de refazer o trajeto de Aleixo Garcia entre Florianópolis (Meiembipe) e os Andes (Chuquisaca).  

Ao longo do caminho a equipe foi colhendo depoimentos que revelavam novos aspectos da epopeia daquele homem branco e de seus companheiros indígenas guaranis.

 A viagem, além de complementar a pesquisa e agregar depoimentos e cenas durante o percurso, permitiu ainda o contato do ilustrador Eloar Guazzelli com o cenário dos desenhos que faria para as animações do filme.

P- Como será a exibição do trabalho, já que documentários praticamente não têm espaço em salas comuns de cinema no Brasil?

A primeira exibição, o lançamento oficial no CIC, será em 13 março de 2019, às 19 horas. Durante essa sessão o músico (pianista) holandês Kristian Schot fará uma apresentação ao vivo da trilha sonora, utilizando piano eletrônico. A trilha original do filme, criada por ele, foi inspirada em canções de marinheiros quinhentistas e em trovadores medievais dos séculos XV e XVI. Uma curiosidade: Schot é casado com a antropóloga brasileira Barbara Arisi, uma das entrevistadas do documentário. 

Após o evento no CIC o filme vai percorrer o circuito de festivais nacionais e internacionais de curta-metragens e de documentários. Em Santa Catarina também estão previstas 8 exibições públicas em locais a serem definidos depois do lançamento. 

A faixa etária indicativa de público é livre e pretende contemplar espaços escolares do ensino fundamental, assim como universitários, em algumas das 8 sessões. Após o circuito de festivais o filme será oferecido a canais de TV com vistas a obter contratos de exibição. 

P- As plateias de outros estados brasileiros e de outros países também terão acesso à obra?

R- Sim, após as etapas de exibição e distribuição que mencionei o filme será disponibilizado gratuitamente no Youtube.

P- Está previsto um longa-metragem sobre o mesmo tema? 

R- Realmente, a pesquisa rendeu material suficiente para um longa-metragem. Dessa vez, porém, a proposta vai prever retratar a viagem de Aleixo Garcia desde a Espanha até o local de sua morte, no Paraguai.

Além disso pretende expandir a pesquisa entrevistando historiadores e etno-historiadores também do Paraguai, Bolívia e Argentina reunindo sua versão sobre as primeiras expedições até o Império Inca, partindo do Brasil, no início do século XVI. Há ainda o projeto de uma série com cinco episódios, que reúne os primeiros europeus a trilhar o Peabiru. Entre eles está uma mulher, a espanhola Mencia Calderón, que percorreu o Peabiru em 1556, partindo de São Francisco do Sul (SC) e indo a até a cidade de Assunção no Paraguai para assumir o posto de terceira  adelantada (governadora) da Província do Prata. Os projetos estão em fase de captação de recursos via editais e patrocínios diretos.

Quem são

Um breve currículo da equipe do curta-metragem:

Diretora – Carolina Borges de Andrade. Economista de formação e produtora por vocação trabalha desde os 16 anos de idade com produção audiovisual.  Aos 42 anos esta foi sua primeira experiência como diretora e roteirista para o cinema. Apaixonada por história pré-colombiana e pelo subcontinente sul-americano já percorreu 35 mil quilômetros de carro com a família pela "Nuestra América". Nada mais natural que seu primeiro filme narrasse uma história genuinamente americana, ocorrida na transição da era pré-colombina para o período colonial, reunindo história e estrada. 

Diretor de Fotografia – Alexandre Peres de Pinho. Tem formação em Jornalismo e Administração, atua profissionalmente na área audiovisual desde 1989 em diversas funções (projecionista 16mm e 35mm, assistente de câmera 16mm e 35mm, produtor, operador de câmera de TV, iluminador e diretor de fotografia); deste 1995 passa a atuar também como diretor ao realizar o documentário Fortalezas de Santa Catarina para a UFSC. Entre outros trabalhos, em 2004 fez a direção de produção para Santa Catarina do longa-metragem 35mm Diário de Um Novo Mundo; em 2011 fez a produção executiva e direção técnica do projeto experimental pioneiro de Cinema ao Vivo Ana exibido no FAM 2011; em 2012 dirigiu a partir da embaixada brasileira de Londres, durante as Olimpíadas, conteúdos para o canal WebTV 14 Bis; Além de atuar na produção audiovisual realiza  pesquisas em Cyber-Vídeo e WebTV. Atualmente está dirigindo o telefilme Veleiro ECO Nasce um Pesquisador que será exibido na TV Ric/Record de Santa Catarina.

Diretor de Arte – Eloar Guazzelli. É ilustrador, quadrinista, diretor de arte para animação. Atualmente é professor na faculdade de animação da Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP)

Bacharel em Desenho e Mestre pela Escola de Comunicação e Artes da USP . 

É um dos indicados deste ano para o Prêmio Shell, que ocorrerá em março  pela cenografia da peça Os 3 Mundos

Trabalhou em mais de 20 curta-metragens de animação e realizou a Direção de Arte do longa-metragem Até que Sbórnia nos separe, premiado em 2013 no Festival de Gramado.

Também foi premiado em mostras e festivais de cinema em Havana, Rio de Janeiro, São Paulo, Bahia, Maranhão e Brasília. Obteve premiações também nos salões de Humor e Artes Gráficas de Buenos Aires, Cintra, Lisboa, Piracicaba, Porto Alegre, Rio de Janeiro, Teerã e Tóquio.

Participou de exposições e mostras na Argentina, Alemanha, Bélgica, Brasil, Cuba, Espanha, Estados Unidos, França, Holanda, Itália, Japão, México, Portugal, Porto Rico, Turquia e Uruguai. Ilustrou por volta de 70 livros infanto-juvenis e publicou mais de 15 álbuns de quadrinhos, adaptações de romances e autores como A escrava Isaura, O pagador de promessas, Fernando Pessoa, São Paulo em Guerra, Vidas Secas, Kaputt, Grande Sertão Veredas e a Coleção Um-Pé-de-Quê.  Em 2015 obteve 1º. e 2º. lugar no Prêmio Jabuti, categoria Adaptação para Quadrinhos.

Diretor de Animação – Lucas Feitosa. É editor de vídeo e animador gráfico. Bacharel em Cinema pela UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina), também dirige e produz documentários, com destaque para Moinho de Temposrealizado para o Canal Futura.

Autor da Trilha Sonora Original – Kristian C. Schot. Músico holandês, multi-artista. Aos 12 anos começou a estudar piano como autodidata. Aos 13, teve aulas de Composição e Improvisação. Aos 15, começou a estudar piano clássico. Entre os 25 e 33 anos, cursou a Escola de Escultura da Academia de Artes de Utrecht (cidade da Holanda) (Hoogeschool Kunsten van Utrecht - HKU). É escultor artista autônomo, trabalhando como restaurador de antiguidades durante alguns anos. Já atuou ainda como pintor e jardineiro.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja