SC: Grupo armado a mando de especuladores invade aldeia e incendeia centro religioso

A- A A+

Casa de Reza do tekoa Tarumã Mirin antes do incêndio criminoso. Foto: Marilene Escoba

Três homens armados e com rostos cobertos incendiaram a aldeia (tekoá) Tarumã Mirin e incendiaram o centro religioso conhecido como “Casa de Reza”, pertencente ao povo Guarani Mbya, no município de Araquari, em Santa Catarina, no dia 8 de fevereiro. Os bandidos utilizaram-se de um guia para realizarem o ataque e evadirem-se pela mata, segundo denunciou o Conselho Indigenista Missionário (Cimi).

“Considerada o ‘coração da aldeia’, a Casa de Reza é um espaço para ritual, de formação e aprendizado para os guarani.”, relata o Cimi. O atentado impactou tão duramente a comunidade que a comunidade apenas denunciou o ocorrido no fim de fevereiro. Um indígena chegou a ser feito de refém.

Ainda de acordo com o Cimi, a campanha contra os guarani tem sido extensiva, intimidatória e conta com grande número de equipamentos e homens. Lideranças relatam o aumento de ameaças e pressão no dia a dia da comunidade, com a presença de não-indígenas desconhecidos nos acessos da aldeia, próximos às casas, inclusive à noite.

Os indígenas denunciaram que cresceu “o sobrevoo de drones na aldeia, situação que os tem deixado apreensivos”. Além disso, “os equipamentos foram avistados em momentos diferentes, durante o dia e de noite, voando a cerca de dez metros do chão”.

As terras Guaranis em Araquari, com pouco mais de dois mil hectares, foram reconhecidas oficialmente como Terra Indígena em 2009, cinco anos após a entrada dos primeiros grupos de trabalho da Fundação Nacional do Índio (Funai). Porém, o Cimi relata que logo em 2010, a medida da Funai foi suspensa e hoje a demarcação do território dos Guarani Mbya encontra-se num limbo jurídico.

“Os Guarani Mbya de Tarumã sofrem pressões da especulação imobiliária e corporações empresariais, resistindo às investidas e às ameaças na busca pelo reconhecimento dos direitos tradicionais.”, comenta o Cimi em sua nota.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza