Ato contra a ameaça às terras indígenas acontece em Porto Alegre

A- A A+

Manifestantes e indígenas protestaram, no dia 26 de fevereiro, em Porto Alegre, contra os ataques e ameaças de despejo promovidas pelo velho Estado contra a tribo Guarani Mbya, que vive na fazenda Arado Velho, retomada em 2018. O ato, que deveria ter ocorrido no dia 31 de janeiro como parte do dia nacional em defesa das terras e direitos indígenas, foi remarcado na cidade para quase um mês depois por conta das fortes chuvas.

Segundo denúncias de ativistas, policiais da Brigada Militar compareceram no início do ato e fotografaram os rostos de vários manifestantes, numa tentativa vulgar de intimidação.

Desde a retomada da fazenda Arado Velho, os indígenas que lá moram, produzem seu sustento e reproduzem sua cultura são alvos de agressões por parte da especulação imobiliária, que pretende fazer da terra ancestral Guarani um conjunto de condomínios. Atualmente as injúrias se intensificaram, causando revolta entre a população e os povos nativos.

Durante o ato, o Comitê de Apoio ao AND de Porto Alegre distribuiu jornais no local e falou com os ativistas e organizadores do evento. O jornal foi muito bem recepcionado e algumas das pessoas presentes já conheciam o nosso conteúdo pelo Portal na internet.

‘Não esperamos nada do governo’

Por ocasião do primeiro ato – que foi remarcado em consequência da chuva –, brigadistas de AND aproveitaram para entrevistar um dos indígenas, que era de uma aldeia demarcada de Camaquã, mas estava ali para defender a terra e segurança de seus parentes:

“Nós estamos aqui para termos mais direitos aos povos indígenas, porque nós precisamos de respeito e queremos manter e proteger a natureza, as nossas árvores, os nossos rios. Nosso objetivo agora é lutar para proteger as nossas áreas.”, disse ele.

O indígena denunciou que os ataques contra as terras indígenas cresceram recentemente. “Isso tem ocorrido principalmente aqui no Arado, que foi a terra que os guarani retomaram. Isso é uma grande preocupação que a gente tem, de tentar resistir contra isso.”, conta. Ele denuncia ainda que os governos estadual e federal nada fazem a respeito das agressões e ameaças sofridas.

Além disso, o indígena criticou as políticas do governo militar que dirige o velho Estado. “A mudança da Funai para o Ministério da Agricultura complica bastante as coisas, como a demarcação de terra e as áreas já demarcadas. É muito triste para nós, é preocupante. Nós estamos tentando lutar contra isso também.”, menciona.

“Nós queremos que seja reconhecido o nosso direito de viver nas nossas terras. Mas, não, não esperamos nada do governo Bolsonaro.”, afirma.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza