Sindicato Marreta afirma: 'Intervenção nos sindicatos não vai passar!'

A- A A+
Pin It

Reproduzimos na íntegra a nota do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção de BH e Região (o Marreta) divulgada no dia 11 de março e enviada para a Redação de AND por correio eletrônico.


INTERVENÇÃO NOS SINDICATOS NÃO VAI PASSAR!

Bolsonaro ataca sindicatos para tentar impedir a revolta dos trabalhadores contra o assalto à aposentadoria

Ao decretar em edição especial do Diário Oficial, na calada da noite do dia 01 de março, sexta-feira que antecede o carnaval, a Medida Provisória 873, para dificultar que os trabalhadores contribuam com o seu Sindicato, Bolsonaro revelou uma vez mais toda sua covardia e medo dos trabalhadores organizados.

Nós do Marreta não temos nenhuma dúvida: este ataque à organização dos trabalhadores foi para tentar impedir que os Sindicatos, junto com os trabalhadores e o povo, organizem a indignação, a repulsa e a revolta geral que tomou conta do país, depois de divulgada a proposta do assalto à Previdência, que antes a canalha chamava “reforma” e agora chama, gastando bilhões em propaganda, de “nova previdência”.

O problema não é a Previdência, são os juros!

Como denunciamos no Programa Tribuna do Trabalhador, na Rádio Favela, o “déficit” nas contas públicas, ou seja, o que o governo gasta mais do que arrecada, é de 16 MILHÕES POR HORA. E o que o governo gasta pagando juros aos banqueiros parasitas da nação, POR HORA, SÃO 39 MILHÕES DE REAIS.

E TEM MAIS: déficit público não é previdência, saúde e educação, como repetem à exaustão os tecnocratas do governo e o monopólio da imprensa vendido (redes de televisão, rádios, jornalões e Veja, Istoé, etc.)
O governo gasta mais do que arrecada porque, além de pagar 39 milhões de reais por hora aos banqueiros, gasta bilhões com os salários milionários do presidente, dos senadores e deputados, dos governadores, prefeitos e vereadores, dos juízes e demais magistrados, dos altos oficiais militares e dos demais funcionários marajás.

E estes juros são só os reconhecidos pelo governo, mas tem muito mais, que vamos mostrar em outros boletins.

Querem tirar 1 TRILHÃO POR ANO dos trabalhadores e pobres:
é o que significa a “reforma da Previdência”

Quem entregou o ouro desta vez não foi o Presidente bocudo e falastrão, mas o seu vice, em entrevista no dia 28 de dezembro de 2018 ao jornal “Valor Econômico”

Valor: O Brasil está quebrado…

Mourão: Eu sei disso, pagamos R$ 400 bilhões por ano de juros, temos um déficit de R$ 139 bilhões (…). Por isso precisamos aprovar essas reformas, porque com a melhoria do nosso rating nós podemos até emitir títulos pagando juros menores (…), fazer uma repactuação dessa dívida, podemos alongar o prazo.
Traduzindo: com as reformas como a “reforma da Previdência”, tirar 1 trilhão dos trabalhadores e emprestar aos banqueiros com juros menores. Mais uma vez jogar nas costas dos trabalhadores o rombo causado pelo governo e os banqueiros. Entregar ainda mais o ouro para os banqueiros, vendendo o sangue do trabalhador, e esperar destes sanguessugas “boa vontade” com os prazos de pagamento da dívida pública!

Ninguém chuta cachorro morto

Se os sindicatos não valem nada, como repetem os banqueiros, o monopólio da imprensa, Bolsonaro e políticos que recebem milhões em aposentadoria, por que então persegui-los?
Porque, em menos de cem dias de governo, já começou a “cair a ficha” da farsa e da mentira destes políticos que prometiam “O NOVO”.

Faz mais de ano que prometeram mais empregos e crescimento com a “reforma trabalhista”. Cadê?

Prometeram menos fiscalização para as mineradoras e agronegócio. Veio o crime da VALE em Brumadinho, que revoltou a nação.

Prometeram que o trabalhador poderia ter armas. Como comprar com esse salário miserável?

E o toma-lá-dá-cá está mais cá e lá do que nunca!

Por isso atacam os sindicatos, e tentam impedir a organização dos trabalhadores.

Porque só atacando os trabalhadores essa quadrilha consegue se unir. Um envergonhado Bolsonaro foi desmentido por seus auxiliares quando falou que negociaria alguns pontos do ASSALTO À PREVIDÊNCIA. E também porque mesmo com todos os ataques da “reforma trabalhista”, os trabalhadores não calaram a sua voz.

Pela Greve Geral de resistência nacional

Plenária sindical dirigida pelo STICBH – MARRETA e Sindicato dos Trabalhadores de Correios – SintectMG, que debateu a necessária unidade de ação do movimento sindical contra as “reformas” antioperárias

• Pela revogação da “reforma trabalhista”;

• Contra a “reforma da previdência”;

• Terra para quem nela vive e trabalha;

• Contra as medidas antipovo e vende-pátria;

• Em defesa do direito de greve e da liberdade de manifestação e de organização;

• Contra a intervenção militar e repressão aos pobres da cidade e do campo.

A nossa convenção está valendo. Os direitos assegurados dos trabalhadores e os descontos aprovados em Assembleias valem pelo menos até dezembro deste ano. O Marreta vai para cima de quem não cumprir a convenção!

MARRETA neles!

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja