Aumenta o rechaço das massas ao governo Bolsonaro e suas reformas

A- A A+

O governo de Jair Bolsonaro, tutelado pelo Alto Comando das Forças Armadas, teve uma queda de 15 pontos percentuais na mais recente pesquisa sobre a opinião das massas com relação a seu gerenciamento. A pesquisa do Ibope foi divulgada no dia 20 de março.

A pesquisa atestou que aqueles que consideram o governo “ótimo ou bom” caiu de 49%, em janeiro, para 34% em fevereiro. Por outro lado, aqueles que consideram o governo “ruim ou péssimo” aumentou exponencialmente, de 11% em janeiro, para 24% em março.

Entre os mais pobres, o índice de aprovação do fascista sofreu forte baixa: foi de 41% em janeiro para 29%, em março. Não obstante, um a cada três brasileiros das “classes médias” que consideravam o governo "ótimo ou bom" mudou de ideia, ou seja, sua aprovação entre aqueles que recebem de dois a cinco salários mínimos foi de 53%, em janeiro, para 35% em março.

Os motivos para sua queda são, certamente, o avanço nos ataques dos direitos do povo, em especial a draconiana reforma da Previdência – que atinge diretamente os mais pobres e as camadas médias –, além de seu reacionarismo obscurantista e as trapalhadas que desmoralizam seu gerenciamento.

Os resultados apontam ainda que o início do governo Bolsonaro é o que menos entusiasmou os eleitores, pelo menos em comparação com os últimos três presidentes. Os reacionários Fernando Henrique Cardoso em 1995 (PSDB), Luiz Inácio em 2002 e Dilma em 2008 (PT) tinham nos primeiros três meses de mandato, respectivamente, 41%, 51% e 56% de aprovação, enquanto Bolsonaro bateu apenas 34%.

A avaliação no início de mandato tende a ser alta, pois o político assume com a expectativa das massas, que ainda aguardam o cumprimento das promessas de campanha eleitoral, uma vez que o curto tempo de mandato não permite que elas se frustrem ainda. Mesmo assim, a aprovação de Bolsonaro é baixa e preocupa o governo.

Já o número de pessoas que consideram Bolsonaro confiável também sofreu forte abalo. Aqueles que o consideram confiável caiu de 62% em janeiro para 49% em março, enquanto aqueles que consideram Bolsonaro não confiável passou de 30% em janeiro para 44% em março.

A pesquisa ocorreu entre os dias 16 e 19 de março e, segundo seus organizadores, a margem de erro é de dois pontos para mais ou para menos.

Problemas à vista

A queda de popularidade entre as massas cria problemas muitos maiores para Bolsonaro, como o risco de não aprovar a reforma da Previdência da forma como ele mesmo e seu ministro Paulo Guedes pretendiam.

A reforma é um tema considerado “impopular” pela reação, porque atinge diretamente os direitos do povo duramente conquistados e, por mais que se faça mil propagandas e todo tipo de lavagem cerebral, as massas tendem a reagir. Se os parlamentares aprovarem-na, isso gera desgaste com seus eleitores imediatos, mas o nível do desgaste pode ser menor ou maior, a depender das condições nas quais a proposta é aprovada. Quando a popularidade daquele que faz a reforma cai, a reação à sua reforma é maior e, logo, o rechaço àqueles que no parlamento aprovarem-na, faz-se maior também.

Nessas circunstâncias, os parlamentares impõem altos custos para aprovar medidas de um governo cuja popularidade cai, tais como emendas parlamentares que atendam a seus interesses particulares ou a interesses daqueles lobbies que eles representam – é o chamado “toma lá, dá cá”. Por isso o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), criticou duramente Bolsonaro por “não assumir a articulação política”, no dia 23/03.

“Um fato é inequívoco: se a popularidade de Bolsonaro continuar a cair, a receptividade ao texto do governo cairá junto. Cairá o interesse de políticos em atrelar o próprio nome a um tema impopular, capitaneado por um presidente impopular. Nesse caso, a reforma provavelmente naufragará, lançando o governo numa crise sem paralelo.”, analisou o próprio monopólio da imprensa G1 (grupo Globo), em artigo do colunista Helio Gurovitz.


Reprodução

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza