Povo equatoriano boicota e impede a farsa eleitoral em parte do país

A- A A+

Imagens: Cartazes da Frente de Defesa das Lutas do Povo - Equador

Várias ações de sabotagem e o alto índice de boicote das massas marcaram um retumbante rechaço à farsa eleitoral realizada no Equador, no último dia 25 de março de 2019. Em pelo menos três locais do país os colégios eleitorais foram invadidos por muitos trabalhadores, que incendiaram urnas. Além disso, pelo menos 36% das pessoas aptas a votar boicotaram o processo eleitoral por meio do não comparecimento (17%), votando nulo (11%) ou em branco (8%).

Na província de El Oro, no cantão Las Lajas, trabalhadores romperam o cerco militar e tomaram o colégio eleitoral  Ciudad de Loja, no setor La Victoria, incendiando e destruindo as urnas que seriam utilizadas no pleito. Já em Porto Cayo, Manabí, as massas fizeram uma ação semelhante, provocando a suspensão das eleições na região.

O primeiro caso de invasão e incêndio do material eleitoral ocorreu em Tululbí, cantão de San Lorenzo (Esmeraldas). Ali, em pelo menos cinco juntas eleitorais, os trabalhadores invadiram as salas e incendiaram as urnas, apesar da presença das Forças Armadas reacionárias, da Polícia Nacional e da Junta Eleitoral, que nada puderam fazer. A realização do pleito foi suspensa na região.

Outro caso ocorreu em Porto Cayo, Manabí, trabalhadores invadiram pelo menos três juntas eleitorais e incendiando também as urnas. O pleito foi suspenso.

A presidenta da Junta Eleitoral de El Oro disse que a Polícia Nacional e o Exército intervieram, mas não capturaram ninguém, tampouco evitaram a ação.

A campanha de boicote às eleições, aderida espontaneamente por um grande contingente de trabalhadores no campo e na cidade, foi impulsionada por diversos movimentos democráticos e revolucionários, em especial a Frente de Defesa das Lutas do Povo (FDLP).

A eleição tinha por objetivo eleger 23 prefeitos e vice-prefeitos, 221 alcaldes (autoridades municipais), 867 conselheiros urbanos e outros milhares de cargos semelhantes ao legislativo.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza