RJ: Exército genocida fuzila carro com família e assassina músico em Guadalupe

A- A A+
Pin It

Evaldo Rosa dos Santos, assassinado covardemente pelo Exército "brasileiro"

O Exército reacionário promoveu novo crime sanguinário contra o povo, mais um em sua longa lista de massacres contra a população brasileira. 

No último domingo, 7 de abril, militares abriram fogo contra um carro que transportava uma família e assassinaram o músico Evaldo Rosa dos Santos, no bairro de Guadalupe, Zona Norte do Rio de Janeiro. Evaldo estava com a esposa, o filho, o sogro e uma amiga, indo para um chá de bebê, quando o carro foi fuzilado por mais de 80 tiros. O sogro da vítima, Sérgio Gonçalves de Araújo, também foi atingido e está hospitalizado.

Uma outra pessoa que não estava dentro do veículo também foi atingida pelas dezenas de tiros e socorrida para um hospital.

Cinicamente, o Comando Militar do Leste afirmou que os militares atiraram para revidar disparos de criminosos que estavam assaltando próximo ao Piscinão de Deodoro. Os inimigos do povo ainda afirmaram na nota oficial que um assaltante foi morto, outro foi ferido e um pedestre foi vítima de bala perdida. Porém, os fatos desmentem categoricamente a nota mentirosa do Exército.

Leonardo Salgado, delegado da Delegacia de Homicídios, afirmou que “tudo indica que os militares realmente confundiram o veículo com um veículo de bandidos. Mas neste veículo estava uma família. Não foi encontrada nenhuma arma”. Já o filho de Evaldo, Daniel Rosa, desabafou: 

— Eles [os militares do Exército] têm que ser presos. Como pode fazer uma coisa dessas? Meu pai era um cara do bem, nunca fez uma maldade contra ninguém. E morrer assim? Com o carro cheio de tiros. Essa gente não pode ter arma na mão. São despreparados. Vou à Alerj e onde mais for necessário — protestou, e concluiu: "O presidente Jair Bolsonaro disse que o Exército veio para proteger a gente e não para tirar vidas".

A esposa de Evaldo, Luciana Nogueira, muito abalada, denunciou para a imprensa que os soldados ainda ficaram debochando do sofrimento da família.

 — O meu filho estava no carro, viu tudo. Ele quer a foto do pai. Eu falei que o pai está no hospital. Por que o quartel fez isso? Os vizinhos começaram a socorrer, mas eles continuaram atirando. E falei: ‘moço, socorre o meu esposo’. Eles não fizeram nada e ficaram de deboche.

A reportagem de AND está acompanhando os fatos e trará mais informações na próxima edição impressa. Abaixo, segue o vídeo divulgado pela Ponte Jornalismo com imagens do acontecimento.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja