Afeganistão: Talibãs avançam para retomar distrito

A- A A+
Pin It

Foto ilustrativa

Talibãs prometem prosseguir a guerra até sepultar o plano colonial ianque

Um grande contingente de combatentes da Resistência Nacional afegã, ligados ao grupo Talibã, realizou um cerco a um prédio governamental na província de Badghis e aniquilou pelo menos 12 soldados do Exército colonial afegão e da polícia local, no início de abril. A ação é parte da ofensiva militar empreendida pela Resistência para retomar o distrito de Bala Murghab, na mesma província, ofensiva que já matou 32 militares pró-USA.

Segundo informações do próprio "governo" colonial pró-ianque, na pessoa de Mohammad Nasir Nazari – membro do conselho provincial –, os talibãs mobilizaram pelo menos 2 mil guerrilheiros e combatentes para realizar a ofensiva. Por sua vez, as forças pró-colonialismo, ao redor de 600 tropas, estão se desmembrando em richas internas, sem água, comida e munições.

Segundo o chefe do distrito, Abdul Waris Sherzad, ligado ao aparelho estatal colonial, o sentimento geral da tropa é de decepção às forças da OTAN e do Exército colonial afegão por ter sido abandonada.

A ofensiva talibã para retomar o distrito, que estava submetido ao projeto colonial ianque em desmoronamento e cujas batalhas já duram pelo menos dois meses, foi tão robusta que o Ministro da Defesa do Estado colonial, pelo Twitter, afirmou que as tropas leais ao regime pró-ianque se "retiraram taticamente" dos postos de controle. O lambe-botas do USA convocou ainda um massivo bombardeio aéreo contra o distrito, que certamente vitimará as massas que residem na região.

Antes dessa ofensiva, dois membros do serviço ianque foram executados enquanto realizavam uma operação contra a Resistência Nacional, no dia 22 de março, em Cabul (capital do país). O informe das baixas foi confirmado pela OTAN, em comunicado. A operação na qual foram mortos dos agentes ianques foi descrita pelas forças colonialistas como “de auxílio e guia às forças afegãs na luta contra o terrorismo”.

Com esses agentes, o saldo de invasores ianques executados ultrapassa 65, enquanto, para as forças locais pró-ianques, o número de mortos ultrapassa 45 mil soldados e policiais. A discrepância deve-se a que o USA utiliza-se das tropas locais, do Exército colonial e as polícias afegãs, para realizar as ações cujo risco de baixas é maior, deixando seus soldados e militares em geral em ações de baixo risco ou em funções estratégicas.

O Talibã, como parte das forças que resistem com luta armada pela expulsão das tropas colonialistas ianques, luta pela libertação do Afeganistão. A Resistência, sob seu principal protagonismo, já controla quase metade do país, após 18 anos de guerra de resistência iniciada em 2001, com a invasão do país pelo Exército norte-americano.

A resistência dos talibãs cresce e o número de ações e distritos recuperados se multiplicam enquanto são realizadas as conversas para a assinatura de um acordo de paz com o USA. O Talibã já deixou explícito que o acordo só será firmado sob a condição irrenunciável de que sejam retiradas todas as tropas estrangeiras e o fim do projeto colonial no Afeganistão.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja