Fortes chuvas e negligência deixam cinco mortos no Rio de Janeiro

A- A A+

Foto: Sergio Moraes/Reuters


Nota atualizada na tarde desta terça-feira, 9 de abril de 2019.


Desde a noite de ontem, segunda-feira, 8 de abril, pelo menos cinco pessoas morreram em decorrência das fortes chuvas que atingem o Rio de Janeiro. Os inúmeros prejuízos causados pelos alagamentos ainda podiam ser vistos na manhã e tarde de hoje, 09/04, em diversos pontos da cidade, frutos do descaso das "autoridades" que perdura anos após ano.

Na noite de segunda, no bairro da Gávea, Zona Sul da cidade, um rapaz identificado como Guilherme Fontes, de 30 anos, foi encontrado embaixo de um carro. Testemunhas afirmam que ele caiu da moto, foi arrastado pela água até o carro, ficou preso e se afogou.

Já no Morro da Babilônia, no Leme, também na Zona Sul, duas irmãs identificadas como Doralice do Nascimento, de 55 anos, e Gerlaine do Nascimento, 53, morreram num deslizamento. Além de irmãs, elas eram vizinhas. Outras duas mortes foram confirmadas nesta terça.

O gerente estadual Wilson Witzel decretou ponto facultativo nas repartições estaduais da Região Metropolitana do Rio. As escolas estaduais terão aulas canceladas nos turnos da tarde e noite. Já o gerente o gerente municipal Crivella anunciou a suspensão das aulas nas escolas da rede municipal.

Desde ontem, o serviço 199 já recebeu mais de 100 chamadas, muitas delas referentes a dano de estrutura de imóvel e deslizamento de encosta. Os bairros com maior incidência são Copacabana, Itanhangá e Campo Grande, estes dois últimos na Zona Oeste.

Os desastres ocorridos após fortes chuvas não se explicam apenas pela natureza. Em 2018, o governo estadual, então de Luiz Fernando Pezão (MDB), já havia cortado 47% do orçamento destinado ao saneamento básico. Além disso, no mesmo ano, o governo retirou metade da verba que o Fundo de Conservação Ambiental - que contempla o saneamento básico - recebia em royalties para destinar à compra de novas armas e equipamentos de repressão para as polícias do estado.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza