MBL, 'Direita Minas' e um rebotalho de 'monarquistas' são escorraçados pela juventude na Unimontes

A- A A+

Jovens antifascistas se reuniram para impedir exibição de documentário pró-regime militar

Estudantes ligados aos grupelhos reacionários de Montes Claros (MG), como o MBL, a “Direita Minas” e um rebotalho de “monarquistas”, foram rechaçados pelos estudantes e parte significativa da comunidade acadêmica da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), na última sexta-feira, dia 12 de abril.

Como resposta desesperada ao evento crítico realizado em função da passagem dos 55 anos do golpe militar de 1964, realizado durante todo este mês de abril pelo Programa de Pós-Graduação em História (PPGH/Unimontes), tais estudantes direitistas tentaram, em vão, exibir o documentário “Entre Armas e Livros”, dirigido por Felipe Valerim e Lucas Ferrugem, do site "Brasil Paralelo". Tal documentário apoiado por Jair Bolsonaro é uma obra favorável ao regime militar e é composto por depoimentos de figuras como o guru da extrema-direita Olavo de Carvalho, o jornalista (e agente da CIA) William Waack e do pseudo-filósofo Luiz Felipe Pondé.

Porém, como tem ocorrido em diferentes regiões do país [1], os defensores do regime militar foram impedidos pelo repúdio dos estudantes e demais setores progressistas da comunidade acadêmica da universidade. Pressionada pelos estudantes de História, Filosofia e outros cursos, a diretoria do Centro de Ciências Humanas (CCH) proibiu a exibição do filme. Tamanha é a covardia dos fascistoides, que, quando foi feito o requerimento para a reserva do auditório, alegaram se tratar de um evento de cunho “artístico”.

Além de impedir a exibição do seu documentário fascista, dezenas de estudantes e professores compareceram a um ato de repúdio contra o golpe militar de 1964, convocado pelo Diretório Central dos Estudantes (DCE). Meia dúzia de ativistas do MBL e seus asseclas, numa atitude provocativa, compareceram a tal evento. Em tom policialesco, tais indivíduos filmaram e fotograram os presentes, mas foram literalmente escorraçados pela juventude, que puxou palavras de ordem contra o regime militar, o governo militar de Bolsonaro e cantaram canções populares do período de resistência ao regime. Além disso, exibiram fotografias de jovens estudantes, heróis do povo brasileiro, que tombaram na luta de resistência ao gerenciamento militar fascista pró-ianque, como Honestino Guimarães.

O Comitê de Apoio ao Jornal A Nova Democracia esteve presente no evento e usou da palavra no microfone:

“Saudamos a iniciativa do DCE pela realização deste importante ato político. O regime militar de 1964 foi um golpe de Estado financiado e promovido pelo imperialismo dos Estados Unidos para aprofundar a dominação de nosso país e a exploração de nosso povo, roubar nossas terras, riquezas minerais, impor a hegemonia de seus monopólios e impedir nossa industrialização e desenvolvimento. Foi um crime contra todo o nosso povo e a soberania de nossa pátria. O gerenciamento de Bolsonaro, tutelado pelo Alto Comando das Forças Armadas, apoia o regime militar de 1964 porque busca aprofundar esta mesma política de subjugação nacional, de entrega de nossas terras e riquezas minerais e de aumentar ainda mais a exploração dos monopólios e bancos ianques. Vejamos o exemplo da base de Alcântara, das malditas “reformas” trabalhistas e da Previdência. Com esta juventude combativa que está presente aqui hoje, junto aos camponeses, operários e todo o povo brasileiro, vamos derrubar o golpe de Estado contrarrevolucionário preventivo ao inevitável levantamento das massas em curso no país. Rebelar-se é justo! Fascistas, não passarão!

A fala do companheiro do Comitê foi muito aplaudida e a palavra de ordem “Fascistas, Não Passarão!” foi entoada a pleno pulmões pela juventude, para desespero das “olavetes” presentes. Apoiadores do jornal venderam números da atual edição do AND e distribuíram dezenas de panfletos do Comando de Luta pela Greve Geral que conclama: GREVE GERAL DE RESISTÊNCIA NACIONAL!


Notas:

[1] Ver MS: Vitoriosa mobilização estudantil barra exibição de filme pró-regime militar na UFGD.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira