França: Doação bilionária a Notre-Dame impulsiona 23º protesto dos 'coletes amarelos'

A- A A+
Pin It

No último sábado, dia 20 de abril, a França foi sacudida por nova rebelião popular durante o 23º protesto dos "coletes amarelos". Desta vez, o motivo das manifestações foi a doação bilionária para reconstrução da igreja de Notre-Dame enquanto os trabalhadores franceses padecem com a crise que atinge o país.

Milhares de pessoas foram às ruas de Paris e em diversas partes da França com cartazes com as seguintes frases: 'Milhões para Notre-Dame, e para nós, os pobres?', 'Tudo para Notre-Dame, nada para os miseráveis' e 'Somos todas as catedrais'.

Temendo a revolta das massas, as "autoridades" do Estado francês mobilizaram um grande destacamento policial. Algumas fontes apontam que 60 mil policiais foram convocados, sendo 5 mil deles na capital. Como em protestos anteriores, os agentes de repressão atacaram os manifestantes. Estes, por sua vez, responderam lançando pedras e incendiando motocicletas, principalmente na Place de la Republique e na Boulevard Richard Lenoir. 

Ao todo, 227 manifestantes foram presos, incluindo menores de idade, segundo informações veiculadas no monopólio da imprensa. Além de Paris, outras manifestações foram realizadas em Toulouse, Montpellier e Bordeaux.

O caminho da luta

Na atual edição impressa (nº 222) do jornal A Nova Democracia, foi publicado o artigo ‘Coletes amarelos’: As massas querem um novo caminho', de Jailson de Souza, que apontou:

"[...] O início da explosão espontânea de operários, trabalhadores, profissionais liberais, estudantes e pequenos proprietários foi o aumento de imposto que elevou o preço dos combustíveis, medida anunciada pelo governo Macron. A medida propiciava diretamente uma alta geral dos preços de praticamente todas as mercadorias, uma vez que o combustível é necessário para escoar boa parte da produção industrial e agrícola.

Como analisou o Partido Comunista Maoista da França (PCmF) – que tem dirigido parte dessas massas e apontado o caminho da Revolução Socialista, uma república proletária a ser conquistada com guerra popular –, 'os ‘coletes amarelos’ representam um retorno brutal e triunfante da luta de classes nas vidas diárias dos burgueses. Hoje, eles se veem obrigados a dizer que ‘a República está ameaçada’. Sim, eles não estão errados! Essa República burguesa não nos pertence e pode morrer sem nenhum constrangimento. Desde a Comuna, sabemos que esta República assassina o povo quando ele se levanta, que é uma ferramenta da classe dominante e parasitária'."

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja