Povos indígenas lutam por seus direitos em Brasília

A- A A+

Foto: Adriano Machado/Reuters

Terminou no dia 26 de abril, em Brasília, o 15º Acampamento Terra Livre, a maior conferência indígena do Brasil. A mobilização contou com a participação de mais de 4 mil lideranças de todas as regiões do país, e buscou chamar a atenção da sociedade para a institucionalização do genocídio dos povos indígenas, principalmente após a chegada ao poder do governo de Jair Bolsonaro, tutelado pelo Alto Comando das Forças Armadas.

Reivindicando os seus direitos constitucionais, como o direito ao território e o direito de viver de acordo com o seu modo de vida tradicional, o evento ganhou um caráter de resistência depois que Bolsonaro acusando-o de ter sido financiado com dinheiro público, numa clara tentativa de jogar a opinião pública contra os indígenas. Não satisfeito, ele insuflou o confronto ao mandar o seu ministro de estimação, Sergio Moro, a autorizar o uso da Força Nacional na Praça dos Três Poderes e a Esplanada dos Ministérios, local em que ocorreria o evento. Temendo o pior, mulheres e crianças não participaram da conferência deste ano.

Esse receio parecia se confirmar logo no primeiro dia, quando a Polícia Militar do Distrito Federal obrigou as delegações a se deslocarem para a Praça dos Ipês, ao lado do Teatro Nacional, para montarem o acampamento. Apesar do clima de tensão, dessa vez não houve confronto com os agentes do velho Estado, e no último dia de mobilização a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) e a Mobilização Nacional Indígena do Brasil (MNI) divulgaram o documento base do ATL 2019, onde acusam o novo governo de turno Bolsonaro/Alto Comando de querer exterminar os povos indígenas ao criar medidas que atacam frontalmente os seus direitos. Uma delas é a Medida Provisória 870/19, que pretende inviabilizar o reconhecimento e a demarcação de terras, agora sob a responsabilidade dos latifundiários do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Outra medida é municipalização da política de atenção básica à saúde indígena, que foi temporariamente suspensa após a contundente reação da sociedade.

O documento diz ainda que o governo de Bolsonaro tem assumido um discurso de ódio, integracionista, reafirmando a narrativa de que eles não precisam de território, a não ser que sigam o caminho do agronegócio ou arrendem seus espaços de vida, o seu lugar de pertencimento. Essas afirmações foram veementemente rebatidas no documento divulgado pelos povos indígenas, que colocaram também o compromisso de fortalecer os laços com todos os setores da sociedade, do campo e da cidade, que estão sofrendo com a perda de direitos historicamente conquistados.


Confira também

Milhares de indígenas protestam em Brasília

RO: Protesto indígena reforçou reivindicações do Acampamento Terra Livre em Brasília

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja