RJ: Polícia nega e tenta impedir socorro a grávida durante operação policial no Complexo do Alemão

A- A A+

Fotos: Reprodução/Redes Sociais

Cercada em mais uma operação de guerra contra o povo pobre, uma jovem de 17 anos entrou em trabalho de parto por volta das 7 horas do dia 30 de abril, na comunidade do Complexo do Alemão, Zona Norte do Rio. Somente três horas depois a moça pôde dirigir-se ao hospital. Segundo denúncias, policiais são acusados de negligenciar o socorro da jovem.

Uma granada explodiu próximo à casa da menina logo de manhã, fazendo tremer o seu imóvel. Com o susto, a jovem notou que sua bolsa rompeu. Segundo ela, o bebê estava previsto para nascer somente dia 14. A mãe da gestante denunciou até xingamentos dos policiais quando foi pedir socorro para a adolescente.

“Ela levou um susto muito grande. Todos nós levamos. A bolsa rompeu na mesma hora. Ainda pedi socorro aos policiais que estavam próximos da minha casa, para nos ajudar a sair com ela. Expliquei que ela estava em trabalho de parto, mas eles disseram que ninguém entrava e nem saía e me responderam com um palavrão”, declara a mãe da jovem ao Jornal Extra.

A incursão contou com agentes do Batalhão de Choque da Polícia Militar com a Coordenadoria de Polícia Pacificadora (CPP), do Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE), do Batalhão de ações com Cães (BAC) e do Grupamento aeromóvel (GAM).

Moradores reiteram a versão da mãe e denunciam a atuação genocida do velho Estado.

“Nada se planta aqui. Não temos fábrica de fuzil. E porque temos que pagar por isso? Uma menina de 17 anos em trabalho de parto e a polícia não socorre e nem deixa socorrer”, disse um morador ao Jornal Extra, sob a condição de se manter anônimo. ”Não podemos sair e nem entrar na nossa favela. Porque o Estado nos mata de qualquer forma. Não somos coniventes”, afirma outro morador ao mesmo jornal.

Somente quando ativistas mobilizaram-se em torno do caso que a moça conseguiu ser encaminhada ao pronto socorro, por volta das 10 horas. A filha da jovem nasceu por volta das 21h00, no Hospital Maternidade Carmela Dutra, no Méier, Zona Norte do Rio de Janeiro; os quadros de saúde da mãe e filha são estáveis.

A Polícia Militar e o governador do estado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, não emitiram nenhum posicionamento sobre a negligência dos militares.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja