RN: 70 mil nas ruas de Natal em defesa da educação pública

A- A A+

 Foto: Rafael Barbosa

Na tarde do dia 15 de Maio, das 16h30 às 20h, estudantes e trabalhadores foram as ruas de Natal em prol da Greve Geral pela educação, visando  uma resposta direta à "reforma’" da Previdência e aos diversos cortes de gastos na educação sobre a alegação de "balbúrdia". A suposta alegação de "rombo previdenciário’" (já desmentida em nosso jornal) se mostrava pífia e injustificável às massas. "Uma forma de desestrutura apenas, o rombo é apenas uma justificava para manter tais posições arbitrárias".

Dentre os presentes, estiveram ativos na manifestação os militantes do Movimento Estudantil Popular Revolucionário (MEPR) e do CEP (Coletivo dos Estudantes do Povo), o segundo ativamente próximo da organização sob estudantes do IFRN (que, segundo dados estimados, foram maioria participativa).

A mobilização, que, mesmo com registros da polícia negados a imprensa, contou com cerca de 70 mil pessoas especuladas, possui, na capital potiguar, um marco como uma das maiores em quantidade de participantes de toda a cidade, cujo papel de luta como um dos palcos da primeira fase das jornadas de junho de 2013 é inegável.

O papel do movimento chegou a levar das vozes de nossas massas questionamentos quanto a posições de entidades sindicais desfavoráveis a greve, como a Força Sindical. "O sindicato devia ser espaço de luta, de construção em nome da defesa dos interesses do povo, quem se opõe a luta não representa o trabalhador’", afirmou Marcone, servidor público de 42 anos.

Outro ponto denunciável fora a aliança com a Polícia Rodoviária Federal por parte de entidades como a CUT e o DCE da UFRN. Um posicionamento resultante em linhas de revista dura, repressão à imprensa independente, infiltração invasiva de policias (que, disfarçados, filmavam e fotografavam rostos para registro) e, inclusive, um dos mais controversos momentos: a detenção de três manifestantes acusados de supostamente terem depredado a sede do PSL, o que fora utilizado pela grande mídia como pretexto criminalizante.

Todos menores de idade e com intenções politizadas em seus atos, os três foram defendidos pera maioria combativa com gritos de ‘’Presos políticos, liberdade já! Lutar é justo! Vocês vão nos pagar!".

O ato percorreu cerca de 5 km e não conseguiu terminar no local combinado (a árvore de Natal no bairro de Capim Macio) devido a forte repressão policial, que tentou durante todo o ato promover a dispersão. As forças acionadas foram a Polícia Rodoviária Federal, o Batalhão de Choque e a Cavalaria da PM.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza