AP: Professores da rede estadual e municipal paralisam atividades contra precarização

A- A A+

Foto: Rodrigo Indinho

Professores em conjunto com trabalhadores de outros setores da rede pública e municipal de Macapá, capital do Amapá, paralisaram suas atividades entre os dias 15 a 20 de maio contra o avanço da precarização na educação e os baixos salários. Cerca de 100 escolas paralisaram suas atividades. Na manhã do dia 16 foram realizados atos em conjunto na frente do Palácio do Setentrião (sede do governo estadual) e na frente da Prefeitura de Macapá.

Uma das lideranças sindicais, o trabalhador Gianfranco Gusmão, afirma que os professores exigem o fim do parcelamento salarial e demais direitos trabalhistas, e protestou pelo fato de o Piso Salarial não estar sendo pago. “Nossas pautas de reivindicações são que o Estado abra a mesa de negociação. Nós temos perdas de 55,61% de salário. Estamos com ele parcelado, temos férias, promoções e progressões não pagas. Ou seja, temos vários motivos para parar”, expõe.

“O muro da escola já está todo caído, o forro está com buraco a ponto de cair também. Só tem uma máquina de xerox na escola inteira. E agora a gente não tem nem pincel. Temos que tirar do próprio bolso para poder dar a nossa aula. O professor que está mantendo a escola. A gente paga para ter uma formação e não somos reconhecidas", denuncia a trabalhadora Sheila Côrrea, que atua na profissão há 14 anos, no município de Mazagão, distante 32 quilômetros da capital.

Já a trabalhadora Rosiane Santos afirmou que está sobrecarregada pela falta de profissionais. Cansada de promessas, ela se juntou com os professores para protestar. “Estamos sobrecarregadas porque são 150 alunos para só uma merendeira. Me sinto uma escrava. É panelão para lavar, pratos, talheres e limpar a sala sozinha. É muita cobrança para cima da gente e ninguém nos valoriza”, protesta.

Foto: Rede Amazônica

Estudantes denunciam precarização

No dia 6 de maio, alunos da Escola Estadual Tiradentes - que se tornou escola de tempo integral em 2017 e é uma das mais tradicionais do Amapá, -, localizada no bairro Santa Rita, Zona Central de Macapá, realizaram um protesto exigindo melhorias no prédio e na educação.

Segurando cartazes e gritando palavras de ordem, os estudantes denunciaram a existência de diversos problemas na alimentação e na estrutura do prédio.

O auditório da escola está com o teto danificado, nos banheiros há muita sujeira por conta dos problemas no abastecimento de água e falta de materiais de limpeza, entre outros problemas no prédio, que indicam a necessidade de reforma.

Já os estudante do 1º ano do Ensino Médio denunciam que não há professor para lecionar a disciplina de Química. Outros denunciam que, quando há merenda escolar, a mesma não cumpre as necessidades nutricionais dos alunos, pois quase sempre é servido apenas frango e mingau. Várias vezes os alunos já foram dispensados por falta de merenda escolar.

Foto: Reprodução

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja