Supremo Tribunal Militar solta militares assassinos de Guadalupe

A- A A+
Pin It

Amigos de Evaldo Rosa protestam com bandeiras do Brasil manchadas de vermelho simbolizando o sangue. Foto: Silvia Izquierdo/AP

No dia 23 de maio, o Supremo Tribunal Militar (STM) mandou soltar nove dos 11 acusados pelo assassinato a sangue frio do músico Evaldo Rosa dos Santos e o catador de materiais recicláveis Luciano Macedo, em Guadalupe, na zona oeste do Rio de Janeiro; o crime ocorreu no dia 8 de abril desse ano.

A decisão foi quase unânime do órgão militar, demonstrando o corporativismo e impunidade aos crimes cometidos por militares. A única que votou contra a soltura foi a ministra Maria Elizabeth Rocha, civil, que, em seu voto, destacou o nível da brutalidade e indiferença na ação dos militares.

A ministra ainda destacou que os assassinos “mentiram para o comando e venderam para o comando a versão de que foram atacados”, o que não se confirmou posteriormente. Além disso, testemunhas – inclusive a família de Evaldo – afirmaram que os militares riram e debocharam das vítimas após o crime e em momento algum prestaram socorro, mesmo depois de constatarem que havia uma família desarmada dentro do veículo.

Evaldo Rosa, músico, ia para um chá de bebê com sua família quando foi interceptado por militares que dispararam mais de 240 tiros de fuzil contra o veículo do trabalhador. Ao menos 80 deles atingiram o automóvel. Luciano Macedo tentou socorrer Evaldo e também foi baleado. Luciano morreu dias depois. O episódio mostra que militares têm seguido à risca as orientações dos governos de turno, Bolsonaro e Witzel, maiores encorajadores dessa política de extermínio de pobres, que tem batido todos os recordes de letalidade.

O caso foi levado ao STM, e não à justiça comum, como de costume, por conta de uma lei sancionada pelo então presidente Michel Temer em 2017. Segundo o texto, aprovado no congresso por um lobby de parlamentares – incluindo Jair Bolsonaro, então deputado federal –, militares que matarem civis em serviço, não responderão mais aos tribunais civis e sim, aos juízes militares em cortes militares.

Além disso, segundo a lei, as Forças Armadas ficam isentas de prestarem satisfações à sociedade de suas decisões e até de detalhes sobre o andamento dos processos. Um verdadeiro Estado de exceção.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja