Estudantes indígenas estão sem ir à escola em Roraima

A- A A+

O ataque do novo gerenciamento de turno contra os povos indígenas continua pelos quatro cantos do país, e como não poderia deixar de ser, a educação é um dos principais alvos das criminosas ações de desconstrução do Estado brasileiro. Com a desculpa do anunciado “contingenciamento de recursos”, quase 18 mil estudantes indígenas ainda não puderam começar o ano letivo no estado de Roraima, e não há nenhuma perspectiva de que essa situação possa ser modificada.

Tentando encontrar saídas para essa vergonhosa realidade, lideranças dos povos Macuxi e Wapichana, da Terra Indígena (TI) Raposa Serra do Sol, se reuniram no dia 14 de maio, com representantes do Ministério da Educação (MEC), mas o que ouviram não foi nada animador. Fugindo de qualquer tipo de responsabilidade, o diretor de Políticas para Modalidades Especializadas de Educação e Tradições Culturais Brasileiras do MEC, Fabrício Storani, afirmou que os cortes na educação são frutos da incompetência dos governos anteriores, e ainda jogou nas costas dos imigrantes venezuelanos a culpa pelos problemas nas áreas de educação e saúde na região.

Porém, quando as lideranças questionaram sobre o déficit de professores indígenas no estado, a resposta foi o silêncio. “Temos 1.460 professores habilitados, a serem contratadas de acordo com realização do Processo Seletivo Específico Indígena que ocorreu em abril, mas nenhum foi chamado até agora.”, denunciou o professor Telmo Ribeiro Macuxi para a Conselho Indigenista Missionário (Cimi).

De acordo com a reportagem publicada pelo Cimi, existe um déficit de 1.029 escolas indígenas no Brasil. Somente em Roraima o déficit chega a 391, sendo que 54% das escolas em funcionamento não possuem prédio próprio. Das 260 escolas indígenas do estado, 96% delas foram construídas pelas próprias comunidades, o que demonstra o histórico descaso do velho Estado.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza