Norte de Minas: Estudantes e trabalhadores retomam as ruas de Montes Claros no 30M

A- A A+

No último dia 30 de maio, mais de 2 mil manifestantes tomaram as ruas do centro da cidade de Montes Claros, no Norte de Minas Gerais, contra a “reforma” da Previdência e o corte de verbas na educação. A manifestação começou com a realização de um ato público realizado por professores e estudantes na praça Dr. Carlos, por volta das 15 horas. Dezenas de entidades sindicais e estudantis participaram da convocação e realização da manifestação, como os DCEs e diversos Centros Acadêmicos da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) e da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Participaram também os sindicatos de trabalhadores em educação das redes estadual, municipal e privadas de ensino, o sindicato dos professores da Unimontes (Adunimontes), o Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de BH e Região (MARRETA), a Executiva Nacional de Estudantes de Pedagogia (ExNEPe) e o curso pré-vestibular popular EMANCIPA. O protesto foi antecedido pela realização de assembleias, reuniões e panfletagens em dezenas de universidades e escolas públicas e particulares. Na Unimontes e Instituto Federal do Norte de Minas (IFNMG), os professores e estudantes aderiram à paralisação nacional. Durante o ato público, estudantes, professores e diversas entidades e movimentos populares usaram da palavra denunciando o caráter reacionário e antipovo das medidas do governo de generais de Bolsonaro. A EXNEPe participou ativamente do protesto, desde a mobilização na Unimontes, distribuindo mais de 1000 panfletos da entidade. Em sua fala durante o ato, o representante da entidade afirmou:

 O plano da atual gerência é a privatização completa da universidade e o retorno da cobrança de mensalidades. Com os cortes de verbas ao Ensino Superior, e sob a desculpa de “priorizar” a Educação Básica, seguindo à risca os ditames do Banco Mundial, Bolsonaro e o ministro Weintraub tentam criar o ambiente que justifique o retorno das mensalidades nas universidades públicas. Por outro lado, assistimos ao Ministério da Ciência e Tecnologia, reduzir drasticamente todas as bolsas de iniciação científica e à docência, ao mesmo tempo que assinam o acordo que entrega a base de lançamentos de foguetes de Alcântara para o imperialismo dos EUA — disse, prosseguindo: 

— É o fim da produção científica nacional e a entrega de parte de nosso território aos EUA! O governo de Jair Bolsonaro, junto ao seu ministro dos banqueiros, Paulo Guedes, está usando o corte de verbas na educação para chantagear as universidades e a população, afirmando que se não aprovar a “reforma da previdência” os cortes na educação e outros serviços como a saúde pública são inevitáveis. O ministro da Educação, Abraham Weintraub, afirmou que o corte de verbas atingiria as universidades nas quais “há balbúrdia”, ou seja, onde professores e alunos estão empenhados em defender o direito à universidade pública, gratuita e de qualidade. Logo, as medidas foram estendidas a todas as universidades federais. Em muitas universidades estaduais, como a Unimontes, o governo reacionário de Zema/Novo já havia imposto o corte de verbas. No último dia 28/05, em mais uma medida reacionária do governo federal, por meio do advogado-geral da União, André Mendonça, solicitou ao Supremo Tribunal Federal (STF) autorização para que sejam realizadas operações policiais dentro de universidades. O representante do governo afirma que a iniciativa visa coibir o "viés ideológico" de professores em ambientes públicos. É mais um claro ataque ao direito à livre manifestação e organização nas universidades públicas e a liberdade de cátedra, direitos constitucionais conquistados pela luta do movimento estudantil e dos professores por democracia e autonomia universitárias! É hora da juventude reavivar seu espírito combativo que sacudiu o país durante as jornadas de luta de junho/julho de 2013 e contra as farras da Fifa/Olimpíadas! É hora de nos unir aos professores e demais trabalhadores da cidade e do campo na realização de uma Grande Greve Geral de Resistência Nacional— arrematou.

Bandeira do USA é queimada em Montes Claros

Uma grande manifestação paralisou o trânsito da região central da cidade por cerca de duas horas. Estudantes universitários, secundaristas e professores, junto a ativistas do Movimento Estudantil Popular Revolucionário (MEPR) e da Liga Operária, formaram um bloco combativo erguendo as faixas: “Preparar Greve Geral de Resistência Nacional!”, “Viva Revolução Agrária! Morte ao Latifúndio!”, “Abaixo a privatização da universidade brasileira!” e um cartaz da campanha internacional lançada pela Corrente do Povo – Sol Vermelho, do México, em defesa da vida do advogado popular Ernesto Sernas García, desaparecido político do velho estado mexicano desde o dia 10 de maio do ano passado.

Muitas pessoas que estavam pelo centro comercial da cidade se somaram à manifestação e a população manifestava o seu apoio repetindo palavras de ordem como “Não vai ter cortes, vai ter luta!” e “A nossa luta unificou, é estudante junto com trabalhador!”. O protesto foi encerrado por volta das 19 horas e diversas entidades e movimentos populares de Montes Claros já convocam reuniões e assembleias para debater sobre a realização de uma Grande Geral no próximo dia 14/06. No encerramento do protesto um grupo de jovens queimou a odiosa bandeira do imperialismo ianque, entoando as consignas “FORA IANQUES DA AMÉRICA LATINA!”.

Cartaz pelo aparecimento do advogado popular mexicano Ernesto Sernas García

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja