30M: Várias capitais do Norte fazem novo ato contra cortes de verbas nas universidades

A- A A+

Rio Branco, Acre. Foto: Manoel Façanha

Durante o dia 30 de maio, vários estudantes e trabalhadores realizaram atos contra o corte de verbas da educação nas cidades de Macapá (AP), Rio Branco (AC) e Boa Vista (RR). Com faixas e palavras de ordem, estudantes e trabalhadores denunciavam a política de arrochos imposta pelo imperialismo.

Em Macapá, vários estudantes e trabalhadores iniciaram o ato por volta das 16h (horário de Brasília), na Praça da Bandeira, no centro. O ato seguiu pela avenida FAB até a praça Veiga Cabral. Durante a caminhada as vias foram interditadas totalmente. N parte da manhã, os estudantes realizaram panfletagem contra a “reforma” da Previdência nas proximidades do campus da Universidade Federal do Amapá (Unifap). De acordo com a administração, a Unifap sofrerá um corte de R$ 9 milhões.

O professor e uma das lideranças sindicais, Paulo Cambraia, denuncia que os funcionários terceirizados serão os primeiros afetados, como já ocorre nas principais universidades do país. “Esse é apenas um exemplo de como o funcionamento pode ser afetado. A segurança e a manutenção serão os primeiros afetados, gerando desemprego e insegurança para a comunidade acadêmica. Este ato é mais uma preparação para a grande greve geral do dia 14 de junho”.

“A Unifap vai ser atingida em cheio, por isso estamos na luta para reverter esse ataque. Também estamos demonstrando nossa insatisfação com a proposta de "reforma" da Previdência do governo Bolsonaro, que beneficia os grandes e prejudica os trabalhadores”, afirmou o técnico administrativo e liderança sindical, Édico Carvalho.

Roraima

O ato em Boa Vista também contou com vários estudantes e trabalhadores, apesar da forte chuva. Foram realizadas atividades no campus da Universidade Federal de Roraima (UFRR) durante todo o dia e, por volta das 16h (horário de Brasília), o ato seguiu até a praça do Centro Cívico, no centro. A comunidade indígena também participou do ato exigindo melhorias nas precárias condições da educação e saúde nas aldeias. A UFRR sofreu um corte de R$ 22 milhões, enquanto que o Instituto Federal de Roraima (IFRR) recebeu um corte de R$ 6 milhões, conforme informaram as instituições de ensino.

O trabalhador Carlos Vicente Joaquim, professor e uma das lideranças sindicais, denunciou que durante o ato realizado pela manhã tentaram bloquear o acesso ao campus, porém houve ameaças da reitoria contra o bloqueio. “A universidade não foi fechada porque houve uma ameaça por parte da Reitoria de que se fechássemos os portões, seria chamada a Polícia Federal para fazer uma reintegração de posse. O governo federal, ao invés de ouvir os movimentos nas ruas, tem fechado os ouvidos para as questões sociais que estão sendo pautadas e se portando de forma extremamente autoritária”.

“O atual presidente trata a educação com descaso e estamos aqui dando apoio para defender a universidade e o ensino, de modo geral. Isso vai afetar diretamente as pesquisas nas universidades e os bolsistas dependem exclusivamente da bolsa de estudos da Capes, o que vai prejudicar tanto as pesquisas quanto os pesquisadores”, ressaltou Joel Moizinho, professor de engenharia civil da UFRR.

Acre

O ato de Rio Branco iniciou às 11h (horário de Brasília), na praça da Revolução, centro da cidade, percorrendo a avenida Getúlio Vargas e a avenida Brasil com uma pausa em frente à Casa Civil do governo do estado.

Já em Cruzeiro do Sul, também no Acre, o ato foi realizado pela manhã também no centro da cidade. Vários estudantes e trabalhadores estiveram presentes nos atos. A Universidade Federal do Acre (Ufac) sofreu um corte de R$ 15 milhões, conforme informado pela universidade. Enquanto o Instituto Federal do Acre (Ifac) sofreu um corte de R$ 5,4 milhões.

O presidente da Associação dos Docentes da Ufac, Sávio Maia, denuncia que o corte de R$ 15 milhões vai afetar diversas atividades da única universidade pública do Acre. Ele também questiona o fato que durante a farsa eleitoral todos prometeram defender a educação. “O corte não inviabiliza só pesquisas, mas também corta luz, limpeza, vigilância, restaurante. Se mantido o corte, não há como manter a universidade. Há pouco tempo a educação era bandeira de todos os políticos, agora começou ser atacada. Queremos defender o patrimônio, que é a universidade e o papel do professor”, protestou.

A estudante do 3º Ano do Ensino Médio, Samily Oliveira, afirma que o descaso atual com a educação é um absurdo e que devemos combater isso. “Quero fazer Psicologia na Ufac e o que o governo está fazendo é um absurdo, isso além de ameaçar meu futuro me deixa indignada. Vejo isso como um grande absurdo”.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja