USA e seus lacaios perpetuam ataques imperialistas ao Afeganistão

A- A A+

Protesto anti-USA de civis - na província de Jalalabad, Afeganistão, após um soldado americano abrir fogo contra moradores, em 2012. Foto: Parwiz Parwiz/Agência Reuters

Apenas em maio deste ano os soldados do USA, seus aliados e seus mercenários contratados realizaram crimes de guerra em 23 dos 31 dias do mês em sua contínua guerra de agressão imperialista no Afeganistão. Foram 49 ataques diferentes contra o povo, de acordo com uma nota publicada pelo Emirado Islâmico do Afeganistão (Talibã) no dia 3 de junho. Entre a longa lista de brutalidades, os assassinatos por tiroteios e bombardeios e as prisões arbitrárias (sequestros) sofridas por civis são os que mais se repetem.

O Talibã, o mais forte expoente em terras afegãs contra a invasão ianque, divulga todo mês um relatório denunciando os crimes de guerra cometidos contra civis. Somando os relatórios, desde o início de 2019 foram 227 ataques diferentes cometidos contra o povo pelos soldados do USA e mercenários, grupos paramilitares privados contratados pelo Estado ianque para realizarem operações militares não oficiais em solo estrangeiro.

Em abril deste ano, o Tribunal Penal Internacional (TPI) rejeitou um pedido para se investigar os crimes de guerra - abusos, torturas e assassinatos - cometidos desde 2001 pelas forças pró-USA, depois de Donald Trump se posicionar contra a investigação.

Mike Pompeo, o secretário de Estado dos USA, ameaçou revogar ou negar vistos a funcionários do TPI que tentassem continuar com a investigação. Depois disso, o Departamento de Estado dos USA confirmou ter revogado o visto da procuradora-chefe que havia feito pedido da investigação, Fatou Bensouda.  

Resistência afegã não dá tregua

Apesar das agressões ianques não terem pausa, o Talibã tem servido à Resistência do Afeganistão lutando para expulsar as tropas invasoras e genocidas e vem impondo sucessivas vitórias militares contra os USA e seus lacaios. A derrocada completa parece cada vez mais evidente, tanto é que no fim do ano passado o USA anunciou a retirada de metade de suas tropas do país.

No entanto, as agressões tiveram um aumento expressivo nos últimos meses apesar da decisão de retirada das tropas. Até mesmo a Missão da ONU no Afeganistão (Unama), lacaia aos interesses ianques, noticiou que cresceram as mortes de civis nas mãos dos invasores e das forças pró-USA, com um forte aumento de vítimas no primeiro trimestre de 2019 devido a bombardeios aéreos (que aumentaram em 41% em relação ao mesmo período do ano passado), bem como um aumento de 85% de operações de busca por insurgentes.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja