Protestos nas favelas! Povo reage contra roubos e tortura da PM em operações

A- A A+
Pin It


Favela Nova Holanda, 10/06/2019. Foto: Douglas Lopes

Moradores de duas grandes comunidades do Rio de Janeiro protestaram no dia 12 de junho contra ações policiais. Na Cidade de Deus, ruas foram fechadas por mulheres, jovens e crianças contra uma ação que demolia casas e barracos de madeira, enquanto que no Complexo da Maré os moradores reagem contra agressões, torturas, invasões e roubos praticados por policiais durante operações nos últimos dias.

Especialmente na Maré, no dia 12, trabalhadores e jovens interromperam o tráfego na Linha Vermelha, importante via expressa da região, para denunciar e repudiar os criminosos abusos que ocorrem há pelo três dias, durante as consecutivas operações.

Casas foram invadidas e moradores agredidos. “A casa da vizinha estava só com o cadeado. Eles arrombaram o cadeado e entraram. Como não encontraram nada, já que a casa está vazia para ser alugada, deixaram a porta aberta e foram embora”, conta um trabalhador residente do Parque União, em entrevista ao O Dia. Ele completa: “A gente conhece muitos casos de casas roubadas, porque dentro da comunidade até que você prove que não é bandido, você é bandido, pelo menos para a polícia”.

O grupo Redes da Maré, em nota pública, denunciou arrombamento de carros, invasão de casas, roubos de dinheiro e equipamentos eletrônicos, tortura física e psicológica de moradores, sequestro e cárcere privado e até ameaças de mortes. Os crimes ocorreram, segundo a denúncia, nas favelas Nova Holanda, Parque Rubens Vaz e Parque União, do dia 10 à madrugada do dia 11 de junho.

‘Moramos em casa de madeira porque precisamos’

Na Cidade de Deus, sob a justificativa de remover “barricadas e barracos”, agentes da prefeitura e do 18º Batalhão da Polícia Militar (PM) aplicaram violência contra os moradores que tentaram impedir a demolição de suas casas, a maioria delas confeccionadas com madeira. Um helicóptero e veículos blindados foram utilizados na operação. Em resposta, os moradores ergueram barricadas em chamas na estrada Marechal Miguel Salazar Mendes de Moraes, que ficou fechada durante a manhã. Com a repressão, os moradores lançaram pedras contra os agentes.

“Acham que a gente mora aqui porque gostamos de brincar de casinha de madeira? Moramos porque precisamos. Não temos para onde ir. Trabalho para uma empresa terceirizada da prefeitura e não recebo meu salário há 4 meses. O que vou fazer com uma criança desse tamanho na rua?”, protesta indignada uma moradora, com seu filho de 1 ano, em entrevista ao O Globo.

A região concentra mais de 50 barracos abrigando trabalhadores que perderam suas casas ou não têm condições de pagar aluguel. A operação policial também resultou em troca de tiros.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja