Greve Geral: Manifestação em Dourados (MS) é marcada pela combatividade; bandeiras do USA e Israel são queimadas

A- A A+

Foto: Comitê de Apoio ao Jornal A Nova Democracia - Dourados (MS)

A cidade de Dourados, no Mato Grosso do Sul, foi palco de grande mobilização contra a "reforma" da Previdência e os cortes na educação no dia da Greve Geral de 14 de Junho. Os atos começaram na Praça Antônio João reunindo estudantes, servidores públicos, operários, camponeses e indígenas. No período da manhã houveram falas e panfletagem. A Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD) e a Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul (UEMS), assim como várias escolas da rede pública da cidade, paralisaram suas atividades.  Os bancos também pararam no período da manhã.

Logo em seguida, o ato foi em marcha até a reitoria da UFGD, onde ocorreu um protesto contra a interventora nomeada essa semana pelo MEC. O processo de eleições que se realizou na universidade sofreu um barramento por parte da justiça, que, de forma arbitrária, tornou ilegal as eleições realizadas democraticamente na instituição. Ampliando a intervenção na autonomia universitária e passando por cima da escolha feita pela comunidade acadêmica, o MEC nomeou de forma autoritária uma interventora para ocupar o cargo ‘temporariamente” depois do fim da última gestão que deixou suas funções essa segunda. Agindo assim, o MEC ataca violentamente a autonomia universitária da UFGD e de todas as Universidades Federais, uma vez que abre precedente para que essa prática se espalhe para outras instituições.

Durante o protesto, a comunidade acadêmica deixou claro que não aceitará a intervenção e lutará pela autonomia da universidade. Também foi realizado um almoço em conjunto com o sindicato dos professores e da Licenciatura em Educação no Campo (LEDUC), que está com risco de fechamento devido aos cortes no orçamento. Ao final, foi realizado um chamado para que, segunda-feira pela manhã, toda a comunidade acadêmica esteja presente para impedir a interventora de assumir suas funções e cobrar que a vontade da academia seja respeitada.

Depois do protesto na reitoria, os manifestantes se dirigiram ao prédio do INSS, de onde sairia uma marcha pelas ruas da cidade. A manifestação de tarde contou com a presença de um bloco combativo que deflagou faixas com os dizeres Greve Geral de Resistência Nacional! e Trabalhadores e estudantes contra a “reforma” da Previdência!. De forma enérgica, o bloco convocou os estudantes e trabalhadores para a luta combativa contra a reforma da Previdência, os cortes na educação e demais ataques do governo de Bolsonaro e dos generais. Também foram distribuídos panfletos conclamando a Greve Geral contra todos esses ataques ao povo.

Ao final da marcha, quando esta chegava próxima a uma loja da Havan, foram queimadas bandeiras dos EUA e de Israel aos gritos de "Fora Imperialismo da América Latina!", “Somos estudantes, não somos pacifistas, viva a luta anti-imperialista!”, “Juventude do Iraque e Palestina, sua luta continua na América Latina!”, “Não apagou e nem vai apagar, o fogo da revolta popular!”, entre outras palavras de ordem, que tiveram grande apoio dos presentes. Um boneco representando o gerente de turno Bolsonaro enforcado numa corda foi alvo de rechaço das massas, sendo arrastado pelas ruas e depois queimado junto às bandeiras.

 

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira