USA invade espaço aéreo do Irã e tem drone abatido

A- A A+

Exemplo de um drone MQ-4C, o modelo que foi abatido pela Guarda Revolucionária do Irã. (Foto: U.S. Navy/Northrop Grumman/Bob Brown/Agência Reuters)

Na madrugada do dia 20/06, a Guarda Revolucionária do Irã abateu um drone de vigilância ianque com um sistema de mísseis terra-ar depois que a aeronave violou seu espaço aéreo e ameaçou sua soberania e segurança nacionais. O drone foi derrubado ao passar sobre a província iraniana de Hormozgan, no Estreito de Ormuz, próximo ao Golfo de Omã.

Após o incidente, Donald Trump publicou, em sua conta oficial numa rede social, que “o Irã cometeu um erro muito grande”, e logo em seguida o preço do petróleo no mercado disparou, temendo uma nova crise petrolífera. Na bolsa de Nova York, o barril do petróleo chegou a aumentar 6,3%, alcançando o valor de quase 60 dólares a unidade.

O comandante-chefe da Guarda Revolucionária iraniana, Hossein Salami, defendeu a derrubada do drone ao dizer que as fronteiras do Irã são a “linha vermelha” de sua corporação e que não toleraria que as desrespeitem e invadam. Segundo ele, a ação de defesa do Corpo dos Guardiões da Guarda Aérea do Irã (IRGC) foi uma evidência de “como a nação iraniana lida com seus inimigos”.

A Guarda Revolucionária foi assim batizada após a “revolução islâmica” de 1979 no Irã, e apesar do nome, não é uma força revolucionária. Ao contrário, a Guarda compõe as Forças Armadas e é parte do Estado de grandes burgueses e latifundiários locais a serviço do imperialismo, principalmente russo. No entanto, tem cumprido o papel de defender a integridade territorial e a soberania da nação iraniana em períodos de agressões e provocações do imperialismo ianque.

Sequência de provocações e agressões ianques

O ataque ocorreu uma semana depois de o USA culpar o Irã pela explosão de dois navios petroleiros também no Estreito de Ormuz, no dia 13/06. Os ianques primeiro lançaram acusações e só depois começaram a buscar evidências para comprová-las, e tentou forjar uma evidência com o argumento falho de que os fragmentos recuperados de um dos navios teria uma “semelhança” com minas usadas no Irã. Por isso, o Irã já estava em estado de alerta quanto a possíveis novas afrontas dos ianques.

Em seguida, no dia 17/06, o governo iraniano anunciou que, em breve, ultrapassará o limite da quantidade de urânio enriquecido em seu estoque, o que significaria romper com um dos principais pontos do acordo nuclear de 2015 e daria condições de o país desenvolver seu programa de desenvolvimento de armas nucleares, como armas defensivas. Em 2018, Trump já havia retirado o USA do pacto nuclear, bem como impôs sanções econômicas ao Irã e limitou o comércio exterior do país principalmente no que diz respeito à venda de petróleo (motivos suficientes para o Irã romper com o pacto).

Além disso, de acordo com a emissora iraniana Irib, o secretário do conselho de segurança iraniano, Ali Shamkhani, informou também no dia 17 que diversos agentes da CIA foram presos após se descobrir um grande esquema de espionagem contra o Irã.

Após esse anúncio, o Pentágono anunciou imediatamente o envio de mais de 1 mil soldados para o Oriente Médio, mesmo já tendo despachado, em maio de 2019, um contingente de 1,5 mil soldados para a mesma área, crescendo exponencialmente sua ocupação militar na região. A região do Golfo de Omã é responsável por um terço da produção mundial de petróleo e é também uma das principais vias de transporte desse petróleo, sendo de grande interesse econômico para o imperialismo ianque.

No dia 19/06, horas antes da derrubada do drone, congressistas do USA denunciaram o seu Secretário de Estado, Mike Pompeo, e diversas autoridades militares do Pentágono de tentarem convencê-los sobre uma conexão entre o Irã e a Al-Qaeda. Segundo o monopólio de imprensa The New York Times, a intenção é utilizar novamente a autorização dada pelo Congresso do USA em 2001, após os atentados do 11 de setembro, para uso de força militar em solo estrangeiro a fim de permitir o USA a declarar guerra ao Irã sob a justificativa de confrontar a Al-Qaeda e seus aliados. Essas ameaças ianques se assimilam imensamente com os antecedentes à guerra de invasão e ocupação ao Afeganistão, em 2001, e, posteriormente à guerra colonial no Iraque, em 2003, podendo se repetir, dessa vez, com o Irã.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza