Índia: Policial é executado e outro ferido em novas ações da guerrilha maoista

A- A A+

Coluna do Exército Guerrilheiro Popular de Libertação (EGPL). Foto ilustrativa

policial é aniquilado

No dia 23 de junho, um policial foi aniquilado por um comando do Exército Guerrilheiro Popular de Libertação (EGPL), dirigido pelo Partido Comunista da Índia (Maoista), na aldeia de Mirtur, localizada no distrito de Bijapur, estado de Chhattisgarh.

A ação aconteceu por volta das 14h, quando o comando maoista cercou o policial que estava no mercado semanal de Mirtur. Os guerrilheiros executaram o agente e expropriaram a pistola semi-automática que ele portava.

As ações seletivas contra membros da repressão, em geral, têm como alvos elementos conhecidos por possuírem um longo histórico de crimes cometidos contra os camponeses e operários, sendo, provavelmente, o caso do policial.

Agente da repressão ferida por explosivo

No dia seguinte, 24 de junho, uma agente da Guarda Distrital da Reserva (GDR, também conhecidos como jawan), foi gravemente ferida por um dispositivo explosivo improvisado plantado por guerrilheiros do EGPL. A ação aconteceu na aldeia de Hiroli, no distrito de Dantewada, também no estado de Chhattisgarh.

A explosão aconteceu no momento em que uma equipe da GDR (que fazia a proteção de um grupo de 50 funcionários administrativos, dentre eles o superintendente da polícia do distrito de Dantewada, Abhishek Pallava) abria uma estrada de terra. A jawan pisou no artefato que a deixou gravemente ferida.

A comitiva alvo da ação dos maoistas havia se deslocado até Hiroli para fazer uma investigação sobre um suposto referendo realizado em 2014 que permitiu a atividade mineradora no depósito de minério de ferro n° 13, da Corporação Nacional de Desenvolvimento Mineral.

Recentemente, o povo da aldeia fez um protesto contra a mineradora alegando que a colina onde fica o depósito de minério de ferro é vista como uma divindade segundo sua crença. Além disso, os moradores denunciaram que a mineradora vem desmatando toda a área de floresta da região.

Explosão causada pelo EGPL deixou policial gravemente ferida. Foto: Reprodução

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira