Geórgia: Protestos reavivam patriotismo contra a dominação russa

A- A A+

Na tarde do dia 20 de junho, massas da Geórgia tomaram as ruas da capital Tiblissi em uma manifestação que contou com 5 mil pessoas em oposição ao domínio e influência russos no país, e outras manifestações se seguiram nos dois dias seguintes. 

O conflito teve início durante a Assembleia Interparlamentar sobre a Ortodoxia (AIO) que ocorreu no Parlamento da Geórgia no mesmo dia. Nela, o presidente da AIO e chefe da delegação russa, Sergei Gavrilov, proferiu um discurso do assento do presidente do Parlamento, o que ofendeu os parlamentares da oposição georgiana e atiçou o patriotismo em evidente resposta ao imperialismo russo, que tem um longo histórico de agressão ao povo georgiano. 

Durante uma pausa da Assembleia, os parlamentares da oposição ocuparam o pódio de onde Gavrilov discursava e impediram a continuação do evento. Enquanto isso, outro grupo invadiu o escritório do partido “Sonho Georgiano” que está atualmente no governo e queimou bandeiras do partido, formado por políticos abertamente fascistas e pró-ocidente. Seu presidente e fundador é o empresário bilionário de extrema-direita Bidzina Ivanishvili.

Mais tarde, as massas populares tomaram as ruas em frente ao Parlamento, bradando palavras de ordem contra as pretensões russas de dominação e queimando imagens do presidente russo, Vladimir Putin. A polícia reprimiu e atacou os manifestantes com balas de borracha, gás lacrimogêneo e canhões d’água, deixando mais de 240 feridos, porém os manifestantes lutaram e revidaram, mesmo sob as altas temperaturas do verão, que fizeram com que alguns desmaiassem por causa do calor.  

Manifestantes tomam frente do Parlamento georgiano, em Tiblissi, junho de 2019. Foto: Ucrânia em África.

Um dia depois do protesto, Putin decidiu cancelar todos os voos da Rússia para Geórgia como forma de boicotar o turismo do país e em resposta à manifestação; o resultado, no entanto, foi lançar mais massas aos protestos seguintes.

O sentimento do povo georgiano contra a dominação colonial russa é antigo. Em 1803 a nação foi anexada pelas tropas czaristas sob o comando do Czar Alexandre, e veio a conquistar sua autonomia apenas em 1917, com a Revolução Bolchevique, quando pôde desenvolver-se nacionalmente, e depois integrou-se à União Soviética. O chefe revolucionário soviético, Iosif Stalin, por exemplo, era georgiano.

Leia também: Geórgia, Ossétia do Sul e Rússia: mais uma guerra pela partilha do mundo

O episódio mais recente e no qual o patriotismo georgiano tomou maior volume foi durante a guerra de agressão de 2008. No episódio, o Exército russo invadiu a Geórgia e ajudou a armar e financiar duas regiões separatistas do país, a Ossétia do Sul e a Abecásia, que haviam se declarado independentes na década de 1990. Desde o início dos conflitos, a Geórgia sofreu a perda de cerca de 20% do seu território nacional, devido à ação militar russa, e até hoje não reatou relações diplomáticas com a superpotência.

Polícia reprime manifestantes em Tiblissi, junho de 2019. Foto: Ucrânia em África

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja