Manifestantes ocupam Parlamento em Hong Kong

A- A A+

Manifestantes tomas as ruas de Hong Kong em protesto contra projeto de lei. 01 de Junho de 2019. Foto: Kin Cheung/AP

Centenas de milhares de pessoas contrários ao regime fascista chinês e o governo local invadiram o parlamento de Hong Kong, no dia 1º de julho. Os manifestantes quebraram janelas, tomaram o plenário e picharam símbolos e emblemas do governo. Momentos antes da invasão, os manifestantes rodearam quartéis da polícia locais e buscaram interferir nos serviços públicos.

Manifestantes em Hong Kong invadiram prédio do Parlamento nesta segunda-feira (1º). Junho de 2019. — Foto: Tyrone Siu/Reuters

O estopim dos protestos foi o projeto de lei sobre extradições, que facilitaria o julgamento dos detidos em Hong Kong pelo sistema judiciário da potência imperialista China. O projeto impulsionou uma onda de protestos que denunciou não só a medida injusta, quanto vários aspectos do governo local.

Os protestos tornaram-se políticos, com as massas em geral temendo serem submetidas à dominação corporativa e fascista imperante na chamada China Continental, subordinada diretamente ao governo fascista chinês (fascismo instalado pós-1976, com a restauração capitalista de Teng Siaoping). Em Hong Kong, os trabalhadores são superexplorados em níveis extraordinariamente altos.

Aproveitando-se da insatisfação popular e do ambiente favorável, grupos pró-ocidente e liberais reacionários buscam influenciar os protestos para debilitar a China e estabelecer um regime independente, aos moldes ocidentais. Pequenas pandilhas levantaram, durante o massivo protesto, bandeiras de Hong Kong colonial, da época que a região era colônia da Inglaterra. Setores do imperialismo ianque provavelmente estão insuflando as massas com objetivo de pressionar a China em meio à guerra comercial.

A data de escolha para o protesto, por exemplo, não foi coincidência: dia 1º de julho completou-se o 22° aniversário da devolução do território de Hong Kong para a China.

As massas também exigem a renúncia de Carrie Lam, assim como a retirada das acusações contra as pessoas detidas nas manifestações das últimas semanas, e prometem continuar protestando pelos seus direitos.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja