Carlos Eugênio, o Comandante Clemente, morre em São Paulo

A- A A+
Pin It


Carlos Eugênio Sarmento da Paz, guerrilheiro da ALN. Foto: Banco de dados AND

No último sábado, dia 29 de junho, faleceu, na cidade de Ribeirão Preto, em São Paulo, Carlos Eugênio da Paz, mais conhecido como “Clemente”, seu nome de guerra nos tempos de clandestinidade e de resistência contra o regime militar fascista.

Nascido em 23 de julho de 1950 em Maceió, Alagoas, Carlos Eugênio foi o último comandante da Ação Libertadora Nacional (ALN), assumindo a direção da organização após os assassinatos dos revolucionários Carlos Marighella e Joaquim Câmara Ferreira.

Dentre as inúmeras ações armadas em que participou, destaca-se a execução do industrial dinamarquês Henning Boilesen, um dos esbirros fascistas que financiavam a Operação Bandeirantes (OBAN). Carlos Eugênio foi o responsável pelo tiro de misericórdia em Boilesen, que, além do mais, era um sádico frequentador das sessões de torturas promovidas contra progressistas, revolucionários e patriotas nos porões do DOI-CODI. 

A ação contra o industrial foi tema do filme Cidadão Boilesen, lançado em 2009 e que conta com o depoimento de Carlos Eugênio (links do trailer e do filme completo abaixo).

Carlos Eugênio também esteve próximo de executar o famigerado delegado Fleury, assassino de Marighella, acertando um tiro de raspão em seu nariz quando a ALN escapava de uma emboscada tramada pelo traidor José Anselmo dos Santos, mais conhecido como “Cabo Anselmo”.

Clemente teve sua mãe torturada (sem delatar ninguém) e sua companheira assassinada pela repressão em 1972 na porta de um restaurante na Mooca, em São Paulo. Passou anos no exílio e, voltando ao Brasil, trabalhou como músico, entre outras profissões.

Sobre os tempos de resistência contra o regime militar, Clemente disse:

“Fui agraciado pela valentia, pela dignidade dos companheiros que foram torturados pra dizerem onde eu estava – e muitas vezes eles sabiam – mas não disseram. Minha sobrevivência eu dedico a eles.”

“Sempre se torturou nesse país, sempre foi um instrumento de manutenção do poder. O Terrorismo de Estado aqui, não é novo.”

“A luta é a mesma porque a ditadura é a mesma.”


Leia também: Liga dos Camponeses Pobres responde a Bolsonaro: 'Os camponeses darão sua luta de armas na mão'

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja