Movimento Feminino Popular do Equador lança declaração sobre a morte de mulher grávida em Ibarra

A- A A+

Traduzimos aqui a nota do Movimento Feminino Popular (Equador), da região de Ibarra, denunciando o covarde assassinato de uma mulher grávida na capital Quito, a violência contra a mulher e a incapacidade do velho Estado e seus agentes policiais de combaterem esse problema, que têm como sua raiz a sociedade de classes. De acordo com a nota, o monopólio de imprensa colocava de forma chauvinista a culpa do assassinato na etnia de seu parceiro, que era venezuelano. Devido à profunda ligação das companheiras com as massas, até mesmo a imprensa burguesa local citou a declaração em seu jornal.

Pronunciamento do Movimento Feminino Popular sobre o execrável crime cometido em Ibarra-Imbabura 

Um novo ato de violência chocou os habitantes da cidade de Ibarra, Imbabura. No dia 19 de janeiro de 2019, um indivíduo esfaqueou sua parceira grávida até a morte na presença de oficiais da polícia e transeuntes em uma rua no centro da cidade. A absurdez do fato é que a polícia se provou, mais uma vez, inoperante e incapaz de responder e impedir um ato de tragédia como este.

Além do fato desse tipo de violência ter se tornado diária no país, deve-se considerar que, ao contrário do que a mídia diz, o fato de o assassino ser venezuelano não tem a menor relevância. Esse pensamento resulta em uma xenofobia que não coincide com a realidade objetiva.

Um assassino mata por várias razões, não necessariamente por sua nacionalidade, gênero ou etnia, ele faz isso pois é delinquente, e a responsabilidade é da velha sociedade.

Também é importante considerar que o incidente ocorreu pois a polícia, mesmo tendo os instrumentos necessários para intervir, não foi capaz de fazê-lo.

Deve-se apontar também que a escalada da violência é proporcional ao nível de pauperização, miséria e desemprego que o país enfrenta.

Os comportamentos patriarcais são reflexos de uma sociedade ambígua, obscurantista, semifeudal como a nossa, onde ainda há subsistência de relações sociais marcadas por concepções medievais, precária educação e agentes políticos corruptos no governo, esferas regionais, assembleias, etc. que têm o cinismo de falar sobre moralidade, dignidade e honestidade.

Nós vivemos numa sociedade onde as mulheres são instrumentalizadas em todas esferas, mas não apenas isso, são exploradas e violadas por serem mulheres, mas também por serem esposas, mães, filhas, indígenas, negras ou mestiças, e, acima de tudo, por serem trabalhadoras.

Com o assassinato de Diana em Ibarra, essa sociedade caduca e o velho Estado não mostram grandes sinais de arrependimento. Nada disso mudará enquanto não abalarmos e destruirmos as bases dessa velha sociedade e criarmos uma em que a prioridade será a maioria da população, onde nós entendemos que as mulheres carregam sobre seus ombros metade do céu, e a outra metade é carregada pelos homens; mas não apenas qualquer mulher ou homem, mas nós, os comunistas e apoiadores, nós que fazemos história.

Há que se entender de uma vez por todas: o Estado e seu aparato repressivo não estão aí para garantir a segurança das massas, eles aqui estão para sustentar seu regime de exploração que ataca os direitos mais básicos da população. Não à xenofobia! Um assassino mata porque ele é produto de uma sociedade decadente, não por ser venezuelano, colombiano ou afro-descendente.

O Movimento Feminino Popular do Equador condena a violência a que as massas estão sendo sujeitadas e também denuncia a incapacidade do velho Estado e seu aparato repressivo de prover soluções às necessidades do povo.

Povo do Equador, somente o povo é capaz de defender a si mesmo. Nós precisamos nos organizar contra o crime, mas também contra o governo e o velho Estado, porque esses não respondem aos interesses da maioria.

Nós condenamos o governo e o velho Estado por não aplicar medidas que parem com a violência contra as filhas do povo. 

Abaixo a xenofobia!

Abaixo o feminicídio!

Despertar a fúria revolucionária da mulher para a Revolução Democrática no Equador!

Foto: Banco de dados AND

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira