Dinamarca: Maoistas promovem evento sobre a Rebelião de Stonewall

A- A A+
Pin It

Evento promovido pelos comunistas dinamarqueses pela passagem dos 50 anos de Stonewall

No último dia 28 de junho, militantes revolucionários de Copenhagen, capital da Dinamarca, realizaram um evento aberto no 50° aniversário da Rebelião de Stonewall, histórico episódio ocorrido em 1969, em Nova York, USA.

De acordo com o site alemão Dem Volken Dienen, vários setores das massas se fizeram presentes no evento, organizando vendas de lanches e também de literatura revolucionária. No outro dia, uma faixa foi pendurada em um bairro proletário da cidade em celebração à Rebelião.

Os comunistas alemães acrescentaram afirmando: “O desenvolvimento do trabalho de massas na Dinamarca e o desenvolvimento do trabalho democrático em bairros proletários”.

A rebelião de Stonewall

No final da década de 1960, no USA, relações entre pessoas do mesmo sexo eram consideradas criminosas em vários estados no país. Os poucos estabelecimentos da época que aceitavam homossexuais e outros setores marginalizados da população eram bares como o Stonewall Inn, localizado no bairro de Greenwich Village, em Manhattan, Nova York.

Na madrugada do dia 28 de junho de 1969, a polícia invadiu o local e agrediu os frequentadores, detendo 13 pessoas sobre a acusação de venda de bebida alcoólica (o estabelecimento não tinha licença para isso) e de “violação ao estatuto de vestiário” (naquela época, era exigido, por lei, que as pessoas usassem pelo menos três peças de roupas consideradas “apropriadas” ao seu sexo).

Faixa pendurada em bairro proletário de Copenhagen celebra os 50 anos da Rebelião de Stonewall

Em reação à violência policial, frequentadores do bar e moradores do bairro se reuniram e revidaram atirando garrafas, ou o que tinham às mãos, contra os policiais. Os agentes tiveram que montar uma barricada para se proteger, mas um dos ativistas ateou fogo ao local onde eles estavam.

Os protestos prosseguiram por cinco dias contra a criminalização e perseguição da homossexualidade, com uma brava resistência dos manifestantes combativos, que foi um dos pontos para o começo da luta pelos seus direitos democráticos.

Um ano após a Rebelião, a homossexualidade deixou de ser crime em Nova York, conquistando direitos por séculos relegados, dentro do país autointitulado “promotor da liberdade”.

Manifestantes enfrentam a repressão policial durante a Rebelião de Stonewall, 1969

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja