Médio empresário comete suicídio durante evento com o governador de Sergipe

A- A A+

Sadi Paulo Castiel Gitz chamou o governador do Sergipe de mentiroso antes de se suicidar. Foto: Reprodução

Na manhã de 4 de julho, o médio empresário gaúcho Sadi Paulo Castiel Gitz, do setor da cerâmica, cometeu suicídio com um tiro na cabeça num evento realizado em Aracaju que contava com a presença do governador de Sergipe, Belivaldo Chagas, e do ministro de Minas e Energias, Bento Albuquerque. Segundo informações, Sadi Paulo teria se levantado e dito: Belivaldo, você é um grande mentiroso. Em seguida, ele efetuou o disparo.

O empresário era proprietário da Cerâmica Sergipe S/A, mais conhecida como Cerâmica Escurial, e o evento em que se suicidou era promovido no Hotel Radisson pelo Governo do Estado de Sergipe. Tal evento discutiria temas relacionados à produção e oferta de gás no estado, as estratégias do governo para a área e as opiniões das empresas envolvidas.

O perfil do governador nas redes sociais fazia uma transmissão ao vivo no momento em que Sadi se suicidou, comovendo os participantes do Simpósio de Oportunidades no ramo do gás natural.

O problema da burguesia nacional

Tal ato de desespero cometido por Sadi Paulo Castiel Gitz reflete a profunda crise econômica que o Brasil atravessa e que afeta principalmente a produção genuinamente nacional (cujo capital não está atado ao imperialismo ou ao bloco latifundiário-burocrático). Como um dos representantes desta burguesia nacional (média burguesia), o empresário, assim como muitos outros, via seus negócios arruinarem em decorrência da crise e com a frequente e desigual competição com os monopólios da grande burguesia e do imperialismo, que tem o velho Estado como guardião de seus interesses. Ou seja, se, por um lado, é fato que esta burguesia nacional aspira crescer, também é fato que ela se vê em constante ruína graças à dominação dos monopólios nacionais e internacionais no Brasil.

Este tipo de contradição, historicamente, só poderá ser resolvida através de uma Revolução de Nova Democracia dirigida pelo proletariado, que confiscará toda a propriedade do latifúndio, da grande burguesia (frações compradora e burocrática) e do imperialismo no país. Uma Revolução cujo fim não é desenvolver o capitalismo, mas varrer os resquícios de dominação imperialista e da grande burguesia, resolver o problema da terra e passar ininterruptamente para o Socialismo, passo a passo. Num primeiro momento, a propriedade da burguesia nacional (média burguesia, como dissemos acima) será respeitada pelo fato desta camada da burguesia - pelas contradições que tem com a grande burguesia, latifúndio e com o imperialismo - poder ser aliada das classes revolucionárias (operários, camponeses e pequena burguesia) durante determinado período deste processo.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja