Exército reacionário homenageia major alemão condecorado por Hitler

A- A A+

Na noite de 1º de julho, o Exército reacionário brasileiro homenageou o militar Eduard Ernest Thilo Otto Maximilian von Westernhagen, mais conhecido como Otto Maximilian. Trata-se de um major do Exército nazifascista de Adolf Hitler, atuante durante a Segunda Guerra Mundial, e que foi executado em 1968 pelo Comando de Libertação Nacional (Colina).

O oficial alemão – que veio ao Brasil fazer um curso na Escola de Comando e Estado-Maior do Exército (Eceme) – foi executado por engano, pois o grupo Colina, na verdade, pretendia aniquilar o major boliviano Gary Prado, que participou da captura do revolucionário argentino Ernesto Guevara de la Serna, ou simplesmente Che Guevara, em 1967, na Bolívia. Ou seja, os militantes se confundiram, o que não tirou o valor da ação, já que o alvo foi um ex-oficial da máquina de guerra hitlerista e que veio ao Brasil exatamente na época em que os militares impunham seu regime fascista que torturou, sequestrou e assassinou milhares de progressistas e patriotas.

site do Exército reacionário brasileiro publicou um tributo a Otto Maximilian e o qualificou como um “oficial brilhante” e, pasmem, “um sobrevivente da 2ª Guerra Mundial e das prisões totalitárias soviéticas, cuja vida foi encurtada por um ato terrorista insano e covarde”. Só faltou dizer que Hitler foi vítima da repressão soviética!

Leia também: O governo, as Forças Armadas e o tráfico de drogas

O Exército também postou em rede social que prestou “homenagem ao oficial de nação amiga”. Porém, na época em que Otto lutou, esta “nação amiga” (o Estado alemão) foi a inimiga número 1 da Humanidade. Inclusive, mais de 400 soldados da Força Expedicionária Brasileira (FEB) verteram seu generoso sangue nos campos da Itália na luta contra as forças fascistas do Eixo (Alemanha, Itália e Japão). A FEB obteve relevantes vitórias, como na Batalha de Monte Castello.

Militares do Exército reacionário prestam homenagem a Otto. Foto: Divulgação/ECEME

Sobre o genocídio praticado pelos nazistas nos campos de concentração e nos países em que eles invadiram, o Exército reacionário não deu nenhuma palavra, assim como não fez nenhuma menção ao fato dos soviéticos serem os grandes vencedores da Segunda Guerra, enterrando de uma vez por todas o Terceiro Reich nazifascista. Somente na União Soviética, 22 milhões de pessoas perderam a vida no conflito, sejam nos ataques indiscriminados dos nazistas, sejam nos campos de combate contra a agressão fascista.

Tais fatos não surpreendem vindos de um Exército que encarna o anticomunismo visceral e mais raivoso, porém o fato de um nazista ser homenageado obviamente gerou grande rechaço e discussão na sociedade. Isto também não surpreende, pois este mesmo Exército tem como patrono um reconhecido genocida, o Duque de Caxias.

Otto alcançou seu primeiro posto na carreira de oficial no ano 1943, em plena Segunda Guerra Mundial, ocasião em que comandou um pelotão de blindados. Segundo reportagens publicadas logo após sua morte, nos anos 1960, pelos órgãos do monopólio da imprensa Globo e Folha de São Paulo, o major nazista foi condecorado por Hitler por ter sido ferido em combate.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja