RJ: Crianças deitam no chão da escola durante tiroteio causado por operação da PM

A- A A+

Alunos do 3° ano do ensino fundamental deitados tentando se proteger dos tiros. Foto: Reprodução

No dia 4 de julho, alunos da Escola Municipal Professora Maria de Cerqueira e Silva, em Manguinhos, Zona Norte do Rio, tiveram que se jogar no chão da sala de aula para escapar dos tiros durante uma operação do 16° Batalhão da Polícia Militar (Olaria) e da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) de Manguinhos. A escola fica localizada na rua Leopoldo Bulhões, popularmente conhecida como "Faixa de Gaza".

Uma foto circulou na imprensa e nas redes sociais mostrando alunos do 3° ano do ensino fundamental deitados tentando se proteger dos tiros. Segundo a mãe de uma aluna que aparece na foto, que não quis se identificar por medo de represálias, os tiroteios são frequentes. Ela conta que as crianças estão em período de provas e sequer conseguiram terminá-las. Na foto é possível ver as avaliações sobre as mesas.

Em entrevista ao jornal Extra, a mãe denunciou:

— Os policiais chegam atirando sem nem pensar em nossas crianças que precisam estudar, [helicóptero] águia também atirando a todo para baixo. Isso está ocorrendo a semana inteira! As crianças que já têm dificuldade de aprendizado só pioram, porque isso é o cotidiano.

A mulher ainda disse que as operações, os tiros e o medo são rotineiros:

— Assim que começa o tiroteio, somos comunicados e esperamos um pouco para pegar as crianças na escola, que é de frente para rua onde ocorrem os disparos. Assim como hoje, toda semana as crianças ficam jogadas pelo chão da escola pra se proteger. Fui comunicada as 9 e pouca da manhã; às 10 peguei minha filha. No meio do caminho para casa, o águia passou atirando de novo”. 

Este foi o terceiro dia de tiroteio na comunidade. No dia 2 de julho, um homem morreu após um confronto com policiais militares na Avenida Dom Helder Câmara. 

No dia 3 de julho, outra operação nas comunidades de Manguinhos e do Mandela deixou uma pessoa baleada e interrompeu o trânsito na Rua Leopoldo Bulhões e a circulação dos trens que passam na região.

Estação lotada devido a paralisação dos trens por conta do tiroteio no Manguinhos no dia 03/07. Foto: Reprodução

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza