LCP lança Carta Aberta: 'Luzivaldo é inocente! Luzivaldo é perseguido político!'

A- A A+
Pin It

Reproduzimos na íntegra a nota publicada pela Comissão Nacional das Ligas de Camponeses Pobres (LCP) no último dia 5 de julho e enviada à Redação de AND nesta segunda-feira, dia 8. A nota original foi publicada na página do Jornal Resistência Camponesa.


Carta Aberta

Aos camponeses da Área São José da Boa Vista

Aos camponeses e ao povo de Campina Verde e Ituiutaba

No último dia 18 de junho de 2019, foi realizada no Fórum de Campina Verde uma audiência de conciliação da Vara de Conflitos Agrários. O Juiz desta Vara, Walter Zwicker Esbaille Júnior, convocou esta audiência no dia 20 de maio de 2019. Não foi possível alcançar a necessária conciliação pela postura intransigente dos advogados do latifundiário. O Ministério Público propôs que a liminar fosse suspensa, e que o processo seguisse até o julgamento do mérito. O juiz ainda vai decidir.

O companheiro Luzivaldo não estava presente. Luzivaldo é um dos principais coordenadores do movimento na Área. Enfrenta, junto com seu irmão Robélio, uma acusação de assassinato.

O Juiz da Vara de Conflitos Agrários reconheceu que na área estão camponeses trabalhadores e honestos, famílias, homens, mulheres e crianças que buscam um lugar ao sol. Quando visitou a área no dia 17 de junho de 2019, o magistrado foi bem recebido e viu as benfeitorias edificadas pelos camponeses com as próprias mãos (tudo sem receber nenhum tostão do estado).

Mas porque o Juiz pensaria o contrário? Porque talvez imaginasse encontrar bandidos, aproveitadores e oportunistas ao invés de camponeses trabalhadores e honestos?

Existe sim toda uma campanha de criminalização e demonização da luta pela terra. Afinal em 500 anos o país não conseguiu superar a condição semicolonial de exportador de minério, monocultura e gado; as terras públicas são griladas pelos latifundiários ladrões de terras; vivemos uma crise sem fim que se arrasta, e entra governo e sai governo e nada muda a não ser para pior.

Mas neste caso específico o próprio Juiz indicou de onde vinham seus temores. Vejam o que ele escreveu em 20 de maio de 2019:

Relevante trazer à colação o teor do Ofício nº 719/2018/MPMG/PJCV, datado de 06.12.2018 (ID 57766581), da lavra do Promotor de Justiça José Cícero Barbosa da Silva Júnior, da Comarca de Campina Verde/MG:

"A área objeto da ação de reintegração de posse em trâmite sob o número 6048675-55.2015.8.13.0024 tem gerado transtornos nesta comarca.

No último dia 25/11, ocorreu um homicídio doloso que vitimou um vizinho do assentamento montado na área invadida.

A suspeita da autoria recai sobre os próprios assentados que ocupam a área litigiosa."

Eis a resposta! Quem criminalizou as famílias camponesas com este ofício foi o Promotor de Campina Verde José Cícero Barbosa da Silva Júnior! Vejam como ele se refere às famílias: “a suspeita da autoria recai sobre os próprios assentados…”. 

Como pode um promotor, antes do inquérito, atingir a honra dos “assentados” como suspeitos do assassinato em 25/11/2018 de Danilo Silva.

O Delegado de Campina Verde instaurou inquérito no dia 04 de dezembro de 2018.

Como no dia 06 de dezembro de 2018, 2 dias depois, o promotor já tinha suas conclusões?

Vejam o criminoso absurdo! Vejam a ordem de investigação do delegado. Vamos mostrar uma parte, a original está no processo:

Quando foi que o investigado passou de ser “a apurar” conforme digitou o delegado, para os nomes escritos a mão de Luzivaldo e Robélio?

É difícil imaginar as conclusões da investigação?

Não, no dia 18 de dezembro de 2018 o “investigador” Pedro A. Carlos apontou Luzivaldo e Robélio como culpados pelo assassinato de Danilo Silva, conhecido na região como “Branco”.

O inquérito apresenta suas conclusões no dia 18 de dezembro de 2018.

E o procurador já sabia do resultado desde o dia 06 de dezembro de 2018?

Toda essa trama foi para afastar Luzivaldo do Acampamento São José da Boa Vista, atacar as famílias honradas e trabalhadoras, semear a divisão e o medo, levar a cabo uma reintegração de posse injusta e cruel contra os camponeses de Campina Verde e Ituiutaba. Luzivaldo não é criminoso, é um perseguido político. Luzivaldo saiu da Bahia para o triângulo mineiro, trabalhou, trouxe uma parte dos 14 irmãos que estavam com destino incerto, ajuda e visita a mãe (em uma dessas visitas, foi acusado de estar foragido). Por conhecer as dificuldades da vida, não se abaixa, não rasteja, e por isso os “homens de bem” querem a sua cabeça. O que Luzivaldo está passando é o que o povo passa, perseguido por lutar por seus direitos e os de seus companheiros. Mas a verdade vencerá, e tudo vai ser colocado em pratos limpos! Os camponeses de Campina Verde e Ituiutaba vão conquistar a terra tão sonhada, e o Acampamento São José da Boa Vista vai enfim ser reconhecido.

Terra para quem nela vive e trabalha!

Viva o Acampamento São José da Boa Vista!

Viva os camponeses de Campina Verde e Ituiutaba!

Fim das perseguições e mentiras contra Luzivaldo!

Goiânia, 05 de julho de 2019

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja