Pataxós atingidos pela Vale sofrem incêndio criminoso em Minas Gerais

A- A A+

Foto: Joka Madruga / Página do MAB

Com informações do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB)

Entre os dias 6 e 7 de julho, a tribo Pataxó do município de São Joaquim de Bicas, em Minas Gerais, que já havia sofrido com o crime da Vale em Brumadinho, foi alvo de um incêndio criminoso.

Em nota publicada no dia 8, o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) informou que "Na tarde de sábado, a população foi surpreendida por um incêndio em sua aldeia Naô Xohã, que foi contida pela presença do Corpo de Bombeiros no local. Já na madrugada de domingo, por volta das 2 horas, cinco homens encapuzados entraram na aldeia dando tiros para o alto".

Reproduzimos abaixo os trechos seguintes da nota do MAB.

"O Ministério Público foi acionado imediatamente, além do Corpo de Bombeiros e a Polícia Federal, que segue investigando o crime. O incêndio foi controlado e ninguém se feriu. A ação criminosa preocupa os moradores e a população da região atingida pelo crime da Vale, pela tentativa de ameaça e intimidação à comunidade pataxó

A aldeia Naô Xohã fica na fazenda que pertence à MMX, empresa de Eike Batista, ocupada pelo Movimento dos Sem Terra - MST desde julho de 2017 e dividido com os indígenas. De acordo com o movimento, o local estava abandonado depois de ter sofrido crimes ambientais devido à exploração mineral desordenada.

A área da aldeia é de aproximadamente 370 hectares quase totalmente cobertas por Mata Atlântica, com presença de flora e fauna silvestre. A Funai já está em contato com as lideranças indígenas locais para garantir o apoio.

O Movimento dos Atingidos por Barragens-MAB esteve com a população da aldeia em solidariedade. Reforçamos a importância de preservação do modo de vida tradicional dos Pataxós e seus territórios. Um crime de ameaça como esse não pode ficar impune!"

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira