USA: Empresas lucram com o encarceramento e a crise imigratória

A- A A+

Protesto em frente ao Centro de Detenção Contratado de Elizabeth. “Parem de torturar crianças”, diz a placa. Foto: Reprodução

Yimi Alexis Balderramos-Torres, imigrante hondurenho, foi encontrado morto em seu dormitório, sob a custódia da Imigração e Alfândega do USA (ICE, sigla original), no dia 30 de junho. De acordo com o portal revolucionário Incendiary News, Balderramo-Torres é a 12° pessoa a morrer, desde setembro, em um centro de detenção no USA.

Entre o caos que se apresenta na fronteira, capitalistas se destacam na obtenção de superlucros. CoreCivic e Geo Group, empresas que controlam prisões, hospícios e centros de correção privados, obtêm grande parte de seus lucros através dos Centros de Detenção, que crescem cada vez mais com o aprofundamento da crise imigratória. Bianca Tylek, diretora do Projeto de Transparência de Centros de Detenção, afirma que “cerca de 65% dos leitos de que o governo federal dispõe para abrigar imigrantes estão nas mãos de empresas privadas”.

Protesto no Centro de Processamento de Houston. Foto: Reprodução

O diretor executivo da CoreCivic, Damon Hininger, em 2018, afirmou que “esse era o ambiente de vendas mais lucrativo já visto em 10 anos”, sendo que os centros de detenção para imigrantes representam 25% de seus lucros, que somam US$ 444 milhões. Já a Geo Group, em 2017, deixava clara suas expectativas pelo fim da política de cach and release (detenção e liberação), onde os imigrantes que pediam solicitação de entrada no USA aguardavam o julgamento do seu processo em liberdade, porém em condições de miséria e precariedade. Agora, está em prática a “política de tolerância zero”, de criminalização dos imigrantes por parte de Trump.

Apesar de todas as provas da precarização dos centros - surtos de caxumba, mortes por negligência médica, entre outros problemas - a CoreCivic e a ICE (responsáveis pelo centro de Houston) afirmam que disponibilizam “assistência de saúde abrangentes”. Anualmente, 300 mil imigrantes são expostos a essas condições.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza