Chile: Maoistas homenageiam Luis Emilio Recabarren

A- A A+

Foto: jornal El Pueblo (Chile)

Uma praça em Santiago, no Chile, amanheceu com os bancos pichados e bandeiras vermelhas hasteadas. Os revolucionários conclamaram Reconstituir o Partido de Recabarren! e Abaixo o revisionismo! Viva o maoísmo!, no advento do aniversário de Luis Emilio Recabarren, chefe proletário e fundador do Partido Comunista do Chile (sob o nome de Partido Operário Socialista). 

Recabarren nasceu no dia 6 de julho de 1876 e dedicou sua vida à “organização do proletariado e do povo, para alcançar a emancipação social, o fim da exploração, a verdadeira igualdade entre homens e mulheres, para que reine a justiça em todas as lutas do povo, nas quais colocou sua mente e coração”, como é descrito pelo jornal chileno El Pueblo.

O dirigente comunista representou a fração vermelha do Partido Operário Socialista (POS), quando no seu II Congresso, em 1918, se travou uma luta de duas linhas. O militante enfatizou que o caminho a ser seguido era o da luta armada, através da aliança operário-camponesa, aplicando e defendendo os aportes do leninismo, consagrado internacionalmente com o triunfo da Grande Revolução Socialista de Outubro de 1917.

No seu III Congresso, em 1920, o Partido, depois da luta de duas linhas impulsionada por Recabarren, demarcou: “A Revolução Russa e o regime dos Sovietes que substituiu o Estado capitalista na Rússia merece todas suas simpatias e, portanto, decidimos por aderir à Terceira Internacional de Moscou”. 

Conforme publicamos em AND, o Partido elaborou uma Declaração de Princípios onde destacava-se que a sua finalidade é a abolição do sistema capitalista; que o Partido deve ser cada vez mais revolucionário e que, para isso, deve depurar-se dos elementos vacilantes e oportunistas.

Sobre seu caráter revolucionário, o jornal El Pueblo exalta: “Orgulhoso de sua classe, por ser da classe dos produtores, dos que tudo criam (o proletariado), enfrentou o cárcere, a perseguição e a hostilização do velho Estado. As massas expressavam seu carinho e reconhecimento, o chamando de professor. Foi o primeiro marxista de nosso país, forjado na luta de classes internacional e nacional”.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira