‘Este governo é de vocês’, diz Bolsonaro a latifundiários

A- A A+
Pin It

“Este governo é de vocês”. Essa afirmação, dirigida aos latifundiários da bancada parlamentar ruralista, foi dita pelo presidente da república, Jair Bolsonaro, no dia 4 de julho, durante um café da manhã.

O fascista disse ainda que “como deputado, em 100% das vezes eu votei acompanhando a bancada ruralista”, e afirmou que ele deve lealdade aos latifundiários, porque “foram vocês que nos colocaram no Planalto”.

Além de Bolsonaro, estavam presentes o atual ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno, e o ministro-chefe da Secretaria de Governo da Presidência, general Luiz Eduardo Ramos Baptista Pereira, do Alto Comando das Forças Armadas.

A bancada ruralista, representação política dos latifundiários no Congresso, conseguiu, dentre outras coisas, garantir que os latifundiários (agronegócio) recebam isenção da contribuição previdenciária de 2,6% da receita de comercialização para exportação.

Leia também: LCP responde a Bolsonaro: 'Os camponeses darão sua luta de armas na mão'

Além disso, o governo perdoou a dívida que grandes corporações do agronegócio tinham com o Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural (Funrural), fundo que recolhe a contribuição previdenciária para bancar aposentadoria dos assalariados agrícolas. Tal isenção e perdão são mantidos justamente agora, que o governo afirma que “todos farão sacrifícios”. Óbvio que os latifundiários não estão incluídos nesse “sacrifício”.

Os latifundiários compõem a classe com a maior dívida previdenciária e com sonegação de impostos. Norberto Mânica, “o rei do feijão”, por exemplo, deve R$ 8,1 milhões à Receita Federal, segundo denunciou o site De olho nos ruralistas. Ele é dono da corporação Agropecuária Ivae e dedica-se à produção sobretudo de grãos em Unaí, noroeste de Minas Gerais. Ele, a propósito, foi condenado e confessou ter mandado matar quatro fiscais do Ministério do Trabalho que investigavam denúncias de que ele mantinha camponeses em condições de trabalho escravo.

Tudo para o latifúndio, nada para os camponeses

Enquanto isso, os camponeses sem terra ou com pouca terra seguirão com as mesmas normas degradantes para se aposentar: segundo o relatório aprovado na comissão especial, os homens do campo terão que trabalhar até os 60 anos e terão ainda que comprovar ao menos 15 anos de trabalho. Já as camponesas sem terra ou com pouca terra terão que fazê-lo até os 55 anos.

O elevado tempo de trabalho exigido torna-se ainda mais brutal se consideradas as condições de trabalho: sobre os sem terra pesa as humilhantes condições de trabalho dentro dos latifúndios, e sobre os pequenos proprietários pesa a falta de créditos, de insumos e de maquinários, o que exige-lhes extremo esforço físico para produzir o suficiente para sua subsistência.

Além disso, os pequenos produtores têm sistematicamente negado o acesso ao crédito, que se concentra nas mãos do latifúndio-agronegócio. Segundo relatório da própria Oxfam Brasil, de 2016, as poucas grandes propriedades rurais (1 mil hectares ou mais) se apoderam de 43% do crédito rural disponível, enquanto que os milhões de pequenos e médios agricultores disputam entre si o monte sobrante.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja