Após ato com 30 mil, servidores ocupam a Assembleia Legislativa do Paraná

A- A A+
Pin It

Milhares de servidores públicos ocuparam a Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) após o deputado Ricardo Arruda (PSL) provocar os servidores que assistiam à sessão plenária. A ocupação iniciou-se no dia 9 de julho e interrompeu a sessão, na qual os deputados votavam a reposição salarial dos servidores em 5,09% até 2022.

A massa de manifestantes que estava em frente a Alep irrompeu nas galerias e corredores e a sessão teve de ser suspensa. Após a saída dos deputados, os servidores gritaram: “Sem a data-base ninguém sai!”. Segundo o comando da greve dos servidores estaduais, a ocupação irá continuar.

Ato reúne cerca de 30 mil servidores estaduais

A ocupação ocorreu após a realização de um ato que reuniu mais de 30 mil servidores estaduais do Paraná. Os servidores marchavam em defesa da data-base, contra punições e perseguições aos servidores, e pela demissão do secretário de educação do Paraná, Renato Feder.

A concentração ocorreu às 9h na praça 19 de Dezembro e, depois de uma hora e meia, os manifestantes saíram em direção ao Palácio Iguaçu, sede do governo do estado e da Alep. Estiveram presentes professores, funcionários de escolas, servidores da saúde e segurança pública, entre diversas outras categorias, incluindo estudantes e professores das redes municipal e federal.

A principal reivindicação é o pagamento de 4,94% referente à inflação dos últimos 12 meses e a negociação dos valores atrasados. De acordo com o comando da greve, as perdas acumuladas ultrapassam 17%, uma vez que os salários estão congelados desde 2016.

No entanto, desde a deflagração da greve dos servidores públicos estaduais, no dia 26 de junho, o governo do estado apresentou somente uma proposta de reposição imediata de 0,5%, com parcelamento de outros 4,5% em três anos, o que gerou grande revolta nos servidores.

Justamente a reposição dos salários foi uma das principais propostas do governador Ratinho Júnior (PSD), mas, de acordo os sindicatos, este sequer aceitou receber os servidores. Ratinho alega que a reposição poderia “quebrar” o estado, enquanto deixa de cobrar mais de R$ 10 bilhões dos grandes empresários e latifundiários paranaenses. 

A greve

De acordo com os sindicatos organizadores, a greve tem adesão de 80% dos servidores estaduais e mais de 40% das escolas paralisaram completa ou parcialmente.

Desde o dia 26 de junho, centenas de servidores estão acampados na praça Nossa Senhora de Salete, em frente à Alep, organizando diversas atividades de mobilização para a greve, como manifestações e piquetes em escolas.

O Comitê de Apoio ao AND de Curitiba esteve presente no acampamento, realizando uma brigada de venda e distribuição de jornal. Durante as conversas, dezenas de servidores mostraram sua indignação também com o governo Bolsonaro, tutelado pelo Alto Comando das Forças Armadas, as maracutaias na "Lava Jato" e a "reforma" da Previdência, concordando que a saída é a mobilização para um grande Levante de Resistência Nacional.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja