MS: Incêndio criminoso destrói casa de reza indígena

A- A A+

Cinzas da casa de reza de Seu Getúlio e Dona Alda, na reserva de Dourados. Foto: Povo Guarani Kaiowá

Reproduzimos na íntegra a nota do Comitê de Solidariedade aos Povos Indígenas enviada à Redação de AND neste dia 15 de julho.


Um incêndio criminoso destruiu, no dia 08 deste mês, a maior casa de reza indígena do Mato Grosso do Sul. A oga pysy (como é chamada em guarani) se localizava na propriedade dos rezadores Seu Getúlio e Dona Alda, na aldeia Jaguapiru, em Dourados. As chamas também queimaram objetos religiosos seculares, como cocares, vestes tradicionais e, principalmente, um antigo “Xiru”, um altar de 180 anos com enorme significado espiritual para a comunidade. Segundo os indígenas, o fogo se espalhou após um homem, não identificado, provocar o incêndio. A casa era a última da aldeia destinada às orações, sendo que as outras também foram destruídas em outros ataques. 

“Para nós, esse incêndio é um massacre. É como se morresse também o corpo de um de nós”, lamentou Eliseu Lopes, liderança da Aty Guasu, a Grande Assembleia Guarani-Kaiowá.

O local não era apenas um espaço religioso e cultural, mas também funcionava como um centro da organização social e política do Povo Guarani Kaiowá. Pelo menos 70 famílias participavam dos encontros que ocorriam todas as noites no local, além de ter sediado muitos eventos, como o Encontro Nacional de Estudantes Indígenas e o Kunhangue Jeroky Guasu. Como destaca Flávio Vicente Machado, missionário do Cimi (regional Mato Grosso do Sul), “A casa de Seu Getúlio e Dona Alda era um centro que recebia várias atividades, tanto do movimento indígena quanto da própria sociedade e, inclusive, de instituições estatais. Lá havia mutirões para emitir certidões de nascimento, por exemplo, e era um espaço de referência não só pelo aspecto tradicional, mas também por esses benefícios coletivos que trazia para a reserva”. 

Como era a casa de reza antes do incêndio. Foto: Povo Guarani Kaiowá

Ele ainda aponta que “A queima de casas de reza é uma violência simbólica e religiosa contra os Guarani e Kaiowá. Ela tenta minar não só o poder espiritual, mas também o poder político que está vinculado àquele ambiente”. 

Como relata a professora Aldineia Oliveira, filha de Seu Getúlio e Dona Alda, “Estamos muito tristes, essa casa de reza é a nossa vida. Quando ela queima, a gente também queima”.

Em nota, o Aty Guassu também se manifestou:

No dia 08 de julho de 2019 uma única oga pysy casa grande de reza religiosa resistente do casal líder Getúlio e Alda, localizada na aldeia Jaguapiru, Dourados (MS), foi queimada e destruída pelo grupo criminoso que incita e propaga intolerância religiosa, ódio, violência e ação etnocida contra as ñanderu e ñandesy lideranças religiosas do nosso povo Guarani e Kaiowa. Já faz década o líder religioso ñanderu Getulio e ñandesy Alda, como as demais lideranças religiosas Guarani e Kaiowa sofreram e sofrem a ameaça de morte, ofensa, discriminação, criminalização e perseguição por praticar ritual a religioso jeroky na casa grande de reza tradicional. Frente ao fato criminoso e intolerante ocorrido contra a religião do povo Guarani e Kaiowa, nós lideranças de Aty Guasu (Assembléia Geral) do povo Guarani e Kaiowa pedimos justiça, mais respeito às lideranças religiosas praticantes da religião do nosso povo Guarani e Kaiowa, pedimos proteção aos líderes religiosos ñanderu e ñandesy ameaçados de morte. A seguir explicitamos a importância da casa grande de reza oga pysy e os rituais religiosos praticados jeroky pelas lideranças religiosas. OGA PYSY é origem de nossa famílias: avô, mãe e pai originária, é nossa religião.”

Indígenas fazem oração nas cinzas da casa de reza incendiada. Foto: Povo Guarani Kaiowá

Seu Getúlio ainda aponta que recebe diversas ameaças e acredita que sua atuação como liderança cultural está na origem do crime contra sua ogapysy. 

INCÊNDIOS NÃO SÃO DE HOJE

Segundo o Cimi (Conselho Indigenista Missionário), essa não é a primeira vez que a casa de reza de Getúlio Juca e Alda Silva é queimada. Em 2009, outra ogapysy já havia sido destruída por um incêndio criminoso. “A anterior foi queimada com dois anos de uso, por causa da ameaça de arrendatário, que o MPF impediu naquele ano de plantar soja dentro da reserva. Essa que queimou agora iria fazer dez anos em dezembro”, afirma o rezador.

Em 2006, inclusive, houve uma onda de queima de casas de reza que estimulou o MPF a fazer um acordo com as igrejas evangélicas, naquela época, para evitar essas práticas de intolerância”, relembra Flávio.

INDÍGENAS SE MANTÉM NA LUTA

Apesar da tristeza, a família de Dona Alda e Seu Getúlio já começa a buscar apoio para construir uma nova casa de rezas. A intenção, explica Aldineia, é tê-la pronta até o Jerosy Puku, o tradicional ritual do milho sagrado.

“Nós já estávamos pedindo a colaboração de todos para renovar a casa, que tinha dez anos. Agora, vamos precisar de ajuda para reconstruir."

Casa de reza da aldeia Jaguapiru era referência cultural e sediava diversos encontros. Foto: Ana Mendes / Cimi

Por séculos, os povos Guarani Kaiowá seguem mantendo suas tradições e cultura, sendo essa uma formade  resistirem contra os incessantes ataques do latifúndio e do Estado a seu serviço. Demonstram, assim, uma enorme força. Por décadas, os Guarani Kaiowá foram vítimas da política infame do SPI (Serviço de Proteção ao Índio), e posteriormente da FUNAI, que visavam extirpar a cultura de seu povo e transformá-los em “trabalhadores nacionais” para servirem ao latifúndio. Onde sua língua e conhecimentos eram proibidos nas escolas, suas lideranças desrespeitadas, seus costumes e tradições violentamente atacados. Porém, em cada reza, assembleia ou guaxiré, os Guarani Kaiowá provam sua vitalidade e o fracasso dessas tentativas. Não serão ataques como este da queima da casa de reza que conseguirão subjugá-los. Os povos Guarani Kaiowá resistem e mantém firme a bandeira da luta pelo seu território, seu tekohá, onde possam reproduzir sua forma de vida e a cultura de seu povo. 

Fontes

https://www.midiamax.com.br/cotidiano/2019/video-incendio-destroi-tradicional-casa-de-reza-na-reserva-jaguapiru-em-dourados/

https://www.facebook.com/aty.guasu/posts/1587257711409422?__xts__%5B0%5D=68.ARC8dAA9nJKQaOPtALrr9KIvVO4m9Dbt5igOMp834ErMoTUO7KssaCup70OKFqY7lFIKEEW131dBRXqkmO7HKZfOvTUvoOdrqYt4UzoBl0j9a0HrYn8je9Mr4Bf7PkotkIVrQS5ogPwR8LBrLHgCVRNIPYRllZD-2vI3j45UN7j7VZLGg9pgqs14a8Tn2DxlokFGMig7dZE4r3DJIeyQuuSjEFuon3HW8f3SVwVCjL11NYZMwO09rRb1GPlB-FDcg2DNTRabFq1MUNNSF5z2FdIjUpxGciQvdyE8r8TNiDM1ebqlVoJkuz5p1yTHsc0h8wGvQ4kplKrGbOrh0dtzRICM1w&__tn__=K-R 

https://cimi.org.br/2019/07/incendio-destroi-casa-de-reza-guarani-kaiowa-na-reserva-de-dourados/ 

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja