PM de Januária (MG) faz terror contra famílias camponesas, denuncia a LCP

A- A A+

Reproduzimos na íntegra a nota enviada pela Liga dos Camponeses Pobres (LCP) do Norte de Minas e Sul da Bahia à Redação de AND em 16 de julho de 2019.


PM de Januária faz terror contra famílias camponesas!

Operação de guerra em Miravânia não foi reintegração de posse:
É Grilagem de Terras, Perseguição Política e Vingança!

Nos dias 09 e 10 de julho o 30º batalhão da PM de Januária, sob o comando do tenente-coronel Rubens Pereira, fez uma operação de guerra à serviço do latifundiário Walter Santana Arantes (dono do supermercado BH, preso na operação Lava Jato por corrupção), contra as famílias de camponeses pobres na Comunidade Barra do Mirador em Miravânia.

A mega operação policial que custou o olho da cara (enquanto o hospital de Januária tá quase fechando por falta de verbas) contou com mais de 15 viaturas da PM, 3 viaturas do corpo de bombeiros, caminhonetes do latifundiário, trator de Edvan Canabrava de Miravânia, caminhões e viaturas locais e reuniu aproximadamente 120 homens fortemente armados para criar o terror contra os camponeses que resistiam ha 6 meses à grilagem de suas terras, onde vivem e produzem ha 19 anos.

Covardia e crimes contra o povo: ameaças, chantagens, roubos e destruição a serviço da grilagem

Pela madrugada do dia 09, a tropa da PM cercou a cidade e bloqueou a passagem para a comunidade, impedindo que apoiadores, advogados, organizações populares e moradores pudessem circular para saber o que estava ocorrendo.

Enquanto isso, o oficial de justiça Antonio Dourado Fraga, o Ivanilton (pistoleiro do Waltinho que indicava quem eram os alvos preferenciais), junto com o comando da PM e a advogada Débora Uchoa, que atuaram como capitães do mato do latifundiário “Waltinho” foram à caça dos camponeses que mesmo sob diversas ameaças e chantagens, ainda não haviam assinado um absurdo contrato de “Compra e venda”. Neste infame contrato, chamado ironicamente de “acordo” e “de boa fé”, os camponeses entregavam suas terras, casas e construções e assumiriam todas as dívidas, inclusive do antigo latifundiário como multas ambientais.

O ataque de surpresa pegou algumas casas sem moradores, pois alguns se preparavam para irem à audiência pública dos Direitos Humanos que ocorrera na ALMG no dia 10, onde seriam contestadas as ilegalidades da reintegração de posse que ameaçava a comunidade, assinada pelo juiz da Vara Agrária de MG Walter Zwicker Esbaille Jr.

O antes e o depois da destruição causada pela PM. Fotos: Resistência Camponesa

As casas e sítios destruídos foram uma vingança contra as pessoas que fincaram pé que não assinariam tal contrato, das que denunciaram a grilagem das terras, que reuniram farta documentação comprovando o direito das famílias sobre a terra e particularmente das que denunciaram o prefeito Raimundo Luna/DEM como representante do latifundiário, por encabeçar criminoso esbulho.

Isolados, cercados e ameaçados de prisão, alguns camponeses foram obrigados a assinarem tal contrato ou senão teriam suas casas, cercas e todas as construções derrubadas naquele momento. O tratorista covardemente roncava o motor ameaçando executar a ordem, e a caneta ou estojo de tinta eram oferecidos como única saída para evitar tal atrocidade. Algumas casas foram violadas antes de serem destruídas, parte de seus pertences arrancados, transportados e jogados na cidade e há vários objetos e animais desaparecidos.


Nenhum terror vai parar a luta pela terra

Este velho e podre Estado brasileiro de burgueses e latifundiários, com suas instituições e poderes decadentes, está caindo aos pedaços e o governo reacionário de generais já declarou guerra contra o povo, dando rédea solta para os latifundiários contra os camponeses, quilombolas e indígenas, enquanto executam tenebroso plano de entrega da nação aos monopólios estrangeiros e de guerra total ao povo.

Ao longo de séculos no Brasil, os camponeses tem resistido contra o latifúndio e lutado por um pedaço de terra para trabalhar e viver com dignidade e nenhum terror conseguiu deter esta legítima luta.

Toda covardia como esta cometida em Miravânia e o sangue derramado de tantos heróis e heroínas como do companheiro Cleomar Rodrigues assassinado em Pedras de Maria da Cruz em 2014, será cobrado em alta conta como parte da dívida histórica do latifúndio e do velho Estado para com o povo brasileiro. Como diz a canção popular: “o risco que corre o pau, corre o machado...”

Abaixo a PM covarde e serviçal do bandido Waltinho!
As terras da Barra do Mirador são dos camponeses pobres!
Cleomar Vive! Morte ao latifúndio! Viva a Revolução Agrária!

Liga dos Camponeses Pobres do Norte de Minas e Sul da Bahia


Leia também

Criminosa reintegração de posse contra famílias camponesas da Comunidade Olaria Barra do Mirador (MG)

Norte de Minas: Panfletagem e agitação em apoio aos camponeses de Miravânia

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja