Futebol palestino na linha de fogo de Israel

A- A A+

Os times palestinos Khadamat Rafah e Balata FC em um jogo na Faixa de Gaza. Foto: AFP

A final da Taça Palestina, campeonato nacional de futebol que reúne times de todo o território palestino, estava marcada para acontecer na primeira semana de julho, porém teve de ser adiada após Israel negar autorização para que a delegação do time Khadamat Rafah, cuja sede é na Faixa de Gaza, pudesse ir até a Cisjordânia, onde o jogo seria sediado.

De acordo com a Associação de Futebol da Palestina, o time de Gaza requisitou, no total, 35 autorizações de viagem para a Cisjordânia, porém apenas quatro foram concedidas pelo Ministério de Defesa de Israel. De todo o time, apenas um jogador recebeu permissão para sair da Faixa de Gaza. 

O episódio não é novidade. Durante 15 anos, o campeonato não pôde ser realizado devido à sabotagem feita pelas “autoridades” israelenses e, mesmo conseguindo realizá-lo desde 2015, após uma intervenção da Federação Internacional de Futebol (Fifa), todo ano se repete a mesma complicação para se conseguir as autorizações de viagem. 

Os dois territórios, da Cisjordânia e de Gaza, são espacialmente separados pelo território de Israel, e para ir de um ao outro é necessário o aval do governo israelense. A Cisjordânia sofre com a ocupação territorial sionista, e está coberta de assentamentos ilegais, enquanto Gaza vive sob o cerco de Israel há já quase 12 anos.  

Vista grossa da Fifa

Apesar de ser fundamentalmente uma instituição reacionária, a Fifa reconhece o Estado da Palestina e considera a Cisjordânia território palestino. Entretanto, a Federação se contradiz com suas próprias regras ao ignorar os absurdos perpetrados contra a competição nacional palestina. Em tese, por ser a mais importante organização do esporte no mundo, era seu dever garantir o direito da Palestina, como um Estado independente, de organizar torneios nacionais e que as competições lá sediadas ocorressem sem entraves.

A vice-presidente da Associação de Futebol da Palestina, Susan Shalabi, afirmou em entrevista à Agence France-Press (AFP) de notícias que “a forma como a Fifa está lidando com os israelenses está incentivando-os a agir com impunidade". 

O futebol reflete o conflito entre Palestina e Israel recorrentemente. Outra problemática que está em pauta há anos é de que Israel possui cinco times de futebol, sob controle da Associação Israelense de Futebol (IFA), com sede no território da Cisjordânia, que nunca foi oficialmente anexado. Assim, segundo seu regulamento, a Fifa não deveria reconhecê-los nem permitir que participem de competições, uma vez que ele determina que uma federação só pode atuar em outros territórios com o consentimento do outro país. 

Recentemente, o próprio presidente da Fifa, Gianni Infantino, compareceu à conferência organizada pelo USA no Bahrein, boicotada pelas organizações pró-Palestina. Sua presença no evento, que tratava de relações econômicas e políticas entre os ianques e o Oriente Médio, demonstra que a tendência da Fifa é de se inclinar ainda mais a favor de Israel, e não resolver as injustiças cometidas contra os times palestinos.

Eduardo Galeano narra, em seu livro Futebol ao sol e à sombra, como o esporte serviu em diversos momentos como expressão da luta contra a opressão e o colonialismo. Conta, por exemplo, que  a Argélia, durante sua guerra de independência contra a França, só pôde jogar por meio da federação do Marrocos, país que acabou sendo desfiliado pela Fifa “por tal pecado”. A Palestina, que luta pelo seu reconhecimento e por sua libertação, luta também pela possibilidade de reproduzir sua cultura, e nisso inclui-se seu futebol. O episódio recente reitera o que Galeano já dizia, que o futebol pode vir para abrir os olhos do mundo, mas serve também como ferramenta que legitima o injusto e invisibiliza o apartheid.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza