MG: Polícia destrói plantações e casas de famílias camponesas em Miravânia; assista o vídeo

A- A A+
Pin It

Escombros de casas de famílias que foram destruídas durante a Operação de Guerra contra camponeses de Miravânia. Fonte: CPT/MG

ASSISTA AO VÍDEO DA DENÚNCIA

O chocante relato das famílias que tiveram suas casas e plantações destruídas pela PM - a mando do latifúndio e com a conivência dos governos municipal e estadual - nos dias 9 e 10 de julho, em Miravânia (MG), foi registrado por apoiadores do jornal A Nova Democracia em visita ao município.

Os camponeses trabalhavam e produziam há mais de 19 anos na localidade de Barra do Mirador, abastecendo todo o município de Miravânia com mais de 3 mil quilos de mandioca usados para produção de farinha e tapioca. Esta agricultura camponesa era responsável por movimentar toda uma cadeia produtiva e empregar dezenas de famílias que, agora, com a ameaça de reintegração de posse criminosa, se encontram ameaçadas.

'Operação de guerra em Miravânia não foi reintegração: foi Grilagem de Terras, Perseguição Política e Vingança!', afirmam camponeses 

O covarde ataque foi orquestrado pelo latifundiário Walter Santana Arantes (preso por corrupção na Operação Lava Jato e atual dono da rede de supermercados BH) com apoio do governo, que mobilizou um aparato de guerra com aproximadamente 120 homens fortemente armados, caminhões e mais de 15 viaturas da PM, conforme relataram os entrevistados.

No momento da invasão, junto da tropa da PM, estava presente o pistoleiro Ivanilton, que trabalha para o latifundiário Walter Arantes, interessado na grilagem das terras, conforme denúncias. O pistoleiro cumpriu a vil função de indicar à polícia e ao funcionário do judiciário Antônio Dourado Fraga quais seriam as principais famílias a terem suas casas demolidas e plantações devastadas, conforme relata a nota de repúdio publicada pela Liga dos Camponeses Pobres (LCP).

A nota também denuncia que, além do pistoleiro, várias caminhonetes do latifundiário estavam no local. 

Ataque contra camponeses gera mais desemprego para toda região

Durante a visita dos apoiadores do jornal A Nova Democracia à Barra do Mirador, os trabalhadores que atuam no beneficiamento da mandioca falaram da importância da produção camponesa para a economia da cidade: "A interrupção da produção impacta não só na área e na geração de emprego para as mulheres que trabalham na produção da mandioca, mas no município todo", afirmou categoricamente o representante da fábrica. E concluiu: "Nós recebemos mandioca de várias comunidades, mas mais da metade da mandioca que nós transformamos em farinha e tapioca para abastecer os mercados vem de Barra do Mirador".

Importante destacar que, segundo o último censo disponível no site do IBGE, Miravânia, município localizado a quase 700 km de de Belo Horizonte, figura com uma taxa de desemprego que supera os 90% da população, sendo uma das maiores do estado. E, para piorar a situação, dentre os 7,5% da população que, apesar de tudo, conseguiram alguma ocupação, mais da metade tem rendimento de menos de meio salário mínimo por mês. 

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja