USA: Trump quer classificar grupos antifascistas como ‘terroristas’

A- A A+

No 1º de Maio de 2019, os maoistas norte-americanos celebraram os 100 anos da fundação do Partido Comunista dos Estados Unidos e anunciaram a existência de um Comitê para Reconstituir o Partido Comunista no país. Foto: Incendiary News

O ultrarreacionário Donald Trump manifestou sua intenção de qualificar grupos e organizações antifascistas norte-americanas como “terroristas”. A declaração aconteceu no dia 27 de julho, depois que os senadores republicanos Ted Cruz e Bill Cassidy entregaram uma resolução nesse sentido ao Comité Judiciário do Senado.

Trump ainda publicou em seu Twitter: “Estou ponderando declarar os ‘Antifa’, os covardes malucos de esquerda que andam por aí batendo nas cabeças de pessoas (apenas em não-lutadores) com bastões de baseball, como uma das principais organizações terroristas”. Escreveu ainda que, com isso, facilitaria “para a polícia fazer o seu trabalho”.

Enquanto perseguem os comunistas e antifascistas em geral, Trump e outros reacionários apresentam os diversos casos de terrorismo dos grupos de extrema-direita — como a Ku Klux Klan (KKK), por exemplo — como “casos isolados”. 

Ao contrário desses grupos, os antifascistas (incluindo os maoistas) dedicam suas atividades para combater as ações dos grupos fascistas, supremacistas brancos e outras aberrações extrema-direitistas. Da mesma forma, os antifascistas apoiam a luta dos imigrantes contra a violência que estes sofrem por parte dos grupos fascistas e do Estado imperialista ianque.

Militantes maoistas de Pittsburgh celebram o Dia da Heroicidade. "O imperialismo só colherá tempestade!", diz a faixa

Quem são os terroristas

Em 2018, não se registou qualquer morte por responsabilidade dos antifascistas, segundo a Liga Anti-Difamação, organização não governamental que dedica-se a monitorar o extremismo no USA. 

Todavia, segundo a mesma entidade, “houve mortes claramente associadas ao extremismo de direita”, registrando-se pelo menos 50 assassinatos por crime de ódio. 

Desde 1990, pelo menos 500 pessoas inocentes (trabalhadores imigrantes e negros, principalmente) foram assassinadas por militantes de extrema-direita no USA. No mesmo período, a única morte associada aos antifascistas foi a de um neonazista, em 1993, num conflito em que ambos os lados dispunham de armas de fogo.

Tudo indica que a criminalização dos antifascistas faça parte de uma estratégia mais alargada para perseguir militantes e grupos da esquerda revolucionária. No USA, recentemente, florescem organizações proletárias combativas e maoistas que levantam a bandeira antifascista e da luta revolucionária, como bem tem noticiado o excelente periódico Incendiary News.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja