GO: Pai de família é torturado pela PM ‘por engano’; vítima está com traumatismo craniano

A- A A+

Marcos Antônio da Rocha Cesário Araújo, de 18 anos, foi torturado pela Polícia Militar (PM) do estado de Goiás no dia 3 de agosto. O jovem, que havia se mudado para a sua nova casa apenas dois dias antes, foi rendido, algemado e espancado na frente da esposa, do filho de dois anos e de outra filha recém-nascida.

Segundo a esposa, após o seu parto, os policiais o aguardavam na porta de casa e o detiveram quando ele retornou. Após a sessão insana de tortura, Marcos foi levado do Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo), onde teve que passar por uma cirurgia e drenagem para retirada de coágulos do cérebro. Ele está em estado grave.

Segundo Andressa Araújo, irmã do jovem, “ele tinha alugado a casa há dois dias, estava arrumando as coisas da mudança ainda. A mulher dele tinha acabado de sair do hospital depois de dar à luz. Quando ele chegou em casa, os policiais já estavam esperando e começaram a bater nele perguntando ‘cadê o fulano?’. O menino [filho de Marcos] agora está traumatizado. Fica olhando para o nada e começa a chamar pelo pai, chora o tempo todo”.

A polícia tentou justificar o injustificável afirmando que os agentes procuravam o antigo morador do local.

Não é ‘caso isolado’

Embora o monopólio da imprensa tente apontar o fato como mais um "caso isolado", essa atrocidade criminosa por parte da polícia é um rotina nas favelas e bairros pobres do país. No dia 31 de julho, por exemplo, o policial militar do Ceará, Leonardo Jader Gonçalves Lírio, acusado de torturar um adolescente há quase um ano, foi preso por ter intimidado uma testemunha do caso e a própria vítima da atrocidade.

No dia 14 de julho, no Distrito Federal, 14 policiais militares foram denunciados pelo Ministério Público por tortura, corrupção passiva qualificada, peculato, falsidade ideológica e tráfico de drogas.

Já no dia 29 do mesmo mês, em Campinas (SP), um policial aposentado de 51 anos foi preso em flagrante por torturar e agredir um guarda civil. O caso foi motivado por ciúmes, segundo o bandido.

Marcos sendo atendido após ser torturado. Foto: Reprodução

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza