Portugal: Caminhoneiros realizam segunda greve do ano; Exército foi chamado para reprimir

A- A A+

Está ocorrendo em Portugal a segunda grande greve dos caminhoneiros em 2019 para exigir aumento salarial e melhores condições de trabalho. Os “operários da condução” voltaram a se rebelar dando início à greve em 11 de agosto, pois o acordo firmado após a greve de abril não foi cumprido. O Exército foi mobilizado pelo governo e tem autorização para tomar o controle dos caminhões.

Pela segunda vez em 2019, caminhoneiros entram em greve. Aveiras de Cima, Portugal, 12 de agosto de 2019. Foto: Patricia de Melo Moreira / AFP

Organizada pelo Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias e pelo Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP), a paralisação tomará a forma de greve por tempo indeterminado até que a Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (patronal) faça uma “proposta razoável”. 

“Até lá, vamos fazer greve por um dia, uma semana, um mês, pelo tempo que for.”, afirmou o vice-presidente do SNMMP, Pedro Pardal Henriques, responsável pela convocação da greve. Desde a tarde de domingo, cerca de 15% dos 3 mil postos de gasolina do país estavam total ou parcialmente sem combustível.  

No segundo dia de greve de caminhoneiros em Portugal, o governo do Partido Social Democrata (PSD) decretou emergência energética e mobilizou o Exército para conduzir caminhões e abastecer postos de combustíveis no país. Outra medida estipulou que grevistas possam ser presos caso não cumpram um serviço mínimo previsto pelo governo, como em hospitais, aeroportos e outros consumidores emergenciais, além de decretar funcionamento mínimo à rede de postos de combustível do país.

"Agora percebo porque é que a Antram não cumpre o que tinha dito. O governo está do lado da Antram", afirmou Pardal Henriques. “São as petrolíferas e as grandes logísticas que mandam neste país. Os trabalhadores estão fartos de ser escravizados”.

Os motoristas lutam por um reajuste que eleve o salário, ao longo de dois anos, para 900 euros. Hoje, a base salarial da categoria é de 630 euros, num país cujo salário mínimo é 700 euros. O salário exigido, por si, já é baixo, pois Portugal é um dos países com menor salário real (poder de compra) da Europa, ficando atrás da Polônia, Eslovênia, Romênia, Turquia, Malta e praticamente empatado com a Grécia, em grave crise geral há anos. 

Leia também: Portugal: Caminhoneiros realizam greve por seus direitos

Diferentemente do Brasil e da greve aqui realizada pelos caminhoneiros em 2018, em Portugal a greve atual é levada a termo por proletários – trabalhadores contratados e sem nenhuma propriedade – e não por pequenos proprietários, como no caso dos caminhoneiros brasileiros, que são donos de seus próprios caminhões e recebem através do frete.

A greve ocorrida em abril se caracterizou como o maior episódio de instabilidade industrial de Portugal em anos, por isso atualmente o governo não mede esforços em tentar aplastá-la com medidas antipovo e reacionárias.

Caminhoneiros se revoltam com ataques ao direito de greve

Em uma entrevista para o portal eco.sapo.pt, sobre a exigência do governo português de serviços mínimos a serem prestados, como em aeroportos e hospitais, assim como a ameaça da utilização das Forças Armadas caso esses não fossem realizados, os caminhoneiros demonstraram sua insatisfação com a limitação do seu direito de greve.

“Os ministros acabaram de dizer que não vivemos em democracia, vivemos numa ditadura. A greve existe só no nome e para tirar salário a estas pessoas”, reagiu o advogado que representa os motoristas. Questionado sobre se os motoristas vão cumprir os serviços, respondeu: “Vamos refletir sobre este atentado e esta barbaridade. É possível cumprir [os serviços mínimos] desde que não se faça greve”.

O advogado denunciou ainda que os serviços mínimos abranjam cargas e descargas, que apesar de na prática acabarem sendo feitas pelos motoristas, não estão previstas no contrato coletivo de trabalho. “Não recebem por fazer cargas e descargas. O governo está a decretar que estas pessoas têm de trabalhar sem receber”, disse.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira