Combatentes caxemires atacam tropa indiana; um soldado foi morto

A- A A+

No dia 20 de agosto foi registrado, no distrito de Baramulla, o primeiro ataque da Resistência Nacional caxemire desde que a Índia revogou a limitada “autonomia” que gozava a Caxemira. 

Segundo a agência de notícias Al Jazeera, um comunicado da Polícia Especial indiana afirma que os combatentes da Resistência lançaram uma granada contra as tropas indianas de ocupação, ferindo dois soldados e matando o oficial Bilal Ahmad. Já o combatente morto foi identificado como Momin Gujri, vinculado ao grupo de Resistência Lashkar-e-Taiba (LeT).

Protestos rechaçam ocupação militar

Os protestos contra a revogação do estatuto constitucional especial da região continuam a ocorrer, por exemplo, na cidade de Srinagar, que durante o verão é a capital do Estado da Caxemira e de Jammu. 

As manifestações têm sido protagonizadas principalmente pelas mulheres caxemirianas, que temem que, com a revogação do artigo 370 e a intervenção militar, o casamento forçado e a violência sexual contra elas aumentem. 

Membros do Bharatiya Janata (“Partido do Povo Indiano”), do primeiro-ministro fascista Narendra Modi, têm feito diversos comentários misóginos, como: “a Caxemira está aberta e as noivas serão trazidas de lá”. Segundo o Google Trends, ferramenta que mostra a popularidade de busca por certos termos, a pesquisa na Índia de “como se casar com mulheres da Caxemira?” cresceu exponencialmente desde 5 de agosto, quando suspendeu-se a autonomia da região.

Confrontos no Paquistão

Paralelamente, o governo do Paquistão declarou que outros três civis foram mortos em tiroteios provocados por soldados indianos na fronteira sua com a Caxemira, chamada de Linha de Controle. As agências de notícias da Índia, por sua vez, relatam que soldados indianos ficaram feridos e um morreu após paquistaneses atirarem contra postos na Linha de Controle, que divide a Caxemira em disputa. 

Protesto de mulheres em Srinagar contra a ocupação indiana. Foto: Danish Ismail/Agência Reuters

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza