PM assassina estudante com tiro na nuca no interior do Amazonas

A- A A+

Foto: Reprodução

No último dia 18 de agosto, um sargento da Polícia Militar assassinou com um tiro na nuca a estudante de psicologia Thalia Nascimento de Oliveira, de 18 anos, que estava na garupa de uma moto, segundo testemunhas. O crime ocorreu em Rio Preto da Eva, a 84 quilômetros de Manaus, Amazonas.

No seu depoimento, o policial militar afirmou que atirou “sem querer” após os jovens - Thalia e o amigo que conduzia a motocicleta - desobedecerem ordem de parada em uma blitz, conforme relatou o delegado Walter Cabral. No entanto, de acordo com as testemunhas, o sargento já havia discutido com o amigo de Thalia naquele mesmo dia, momentos antes de reencontrá-los e disparar o tiro. 

Após entregar sua arma, mesmo admitindo ter disparado, o sargento foi liberado. “Ele alegou que estava fazendo uma abordagem na entrada da cidade, quando essa moto vinha em alta velocidade e quase o atingiu. Ele alegou que estava portando uma arma de fogo em posição operacional e, se afastando para evitar ser atingido pela moto, atirou sem querer”, disse Walter.

Família denuncia execução

O pai da estudante, Homero Luiz de Oliveira, denuncia que sua filha foi executada sem chances de defesa. “Ele executou a minha filha, atirou nela por trás e não deu chance para ela se defender”. 

O pai também denuncia que, no momento, não havia nenhuma blitz no local do assassinato, mas apenas uma viatura parada sem sinalização para blitz. Apesar disso, o policial apenas entregou a arma e foi liberado. "Se fosse eu que tivesse matado uma pessoa e fizesse o que ele fez, teria ficado preso”, protestou Homero.

O condutor da motocicleta, Kaio Oliveira, também denuncia que não havia blitz no local. Ele afirmou que em nenhum momento o militar pediu para a dupla parar. “Fui deixar a Thalia, fiz o mesmo caminho. Não tinha blitz, sinalização, não fizeram nenhum sinal para a gente parar. Eu passei e só vi uma viatura embaixo de uma tenda que sempre fica lá. Todo mundo me conhece e se conhece no município. Não tinha motivo para furar blitz, até porque não havia. Sou habilitado. Se tivesse barreira, eu tinha parado. Eu não fugi da cidade”, esclareceu.

O irmão da estudante também denuncia a versão dada pelo sargento e cravou: "Foi uma execução". "O PM diz que atirou para cima, para que o motociclista parasse, mas quem é que atira para cima e acerta na cabeça da pessoa? Isso para mim é considerado como execução. Não tem nada de erro”, apontou.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja