Filipinas: Exército ocupará escolas e universidades contra ‘doutrinação maoista’

A- A A+

O Exército reacionário filipino ocupará, com vigilância armada, escolas secundárias e universidades, segundo informou o chefe de relações públicas das Forças Armadas das Filipinas (FAF), coronel Noel Detoyato, um dos porta-vozes do governo genocida de Duterte, no último dia 20 de agosto.

A medida tem como objetivo reprimir organizações e grêmios estudantis porque, segundo os reacionários, eles são “fachadas do Partido Comunista das Filipinas (PCF) e do Novo Exército do Povo (NEP)” para “doutrinar os estudantes”.

Segundo o presidente da Frente Nacional Democrática das Filipinas (FNDF), José Maria Sison, “não é o ativismo estudantil a principal razão de muitos estudantes e outras pessoas se juntarem ao NEP”, e prossegue: “A causa pela qual cresce um amplo movimento democrático, bem como da revolução armada, é a persistência do podre sistema de governo semicolonial e semifeudal e o agravamento dos problemas sociais básicos pelo regime tirânico, traidor, assassino, saqueador e trapaceiro de Duterte”.

O presidente da FNDF prossegue: “Não é culpa do movimento estudantil que hajam condições exploradoras e opressoras para serem criticadas, repudiadas e superadas. São as condições crescentes de opressão e exploração que estão levando mais ativistas e estudantes a aderirem à revolução armada. Assim, o regime tirano de Duterte é agora conhecido como o melhor recrutador do NEP”.

Estudantes se levantam

No dia em que foi anunciada essa ocupação das instituições de ensino, estudantes da Universidade das Filipinas (UF) saíram de suas aulas e marcharam na capital Manila para criticar tal decisão, exigir a liberdade acadêmica e o direito de se organizar e protestar. Várias organizações universitárias e outros setores aderiram à manifestação, apelidada pelo Escritório de Alunos Regentes da UF como “Dia de Desistência e Ação da UF”.

A manifestação foi organizada seguindo a proposta para impedir que o governo reviva a Lei Anti-Subversão que, de acordo com o estudante regente John Isaac Punzalan, levaria a vigilância ostensiva aos estudantes, professores e organizações que são críticas ao governo.

O regime de Duterte, com mais essa medida policialesca, caminha a passos largos em direção à instauração de um regime militar fascista no país.

Noel Detoyato, um dos porta-vozes do governo reacionário das Filipinas

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja