Chile: Manifestantes enfrentam repressão nos três anos da morte de Macarena Valdés

A- A A+

Foto: Reprodução/amwenglish.com

Um grupo de manifestantes encapuzados ergueram barricadas, atiraram coquetéis molotov e incendiaram três ônibus como parte da campanha por justiça para a líder indígena mapuche Macarena Valdés, assassinada em um conflito territorial há três anos, em 22 de agosto.

O protesto pelo reconhecimento de sua morte como assassinato - sua morte havia sido divulgada como “suicídio” pelos “peritos” do velho Estado - e reabertura das investigações aconteceu pelo terceiro ano seguido na capital Santiago, sendo fortemente reprimida pela polícia e pelas forças especiais do Chile. As forças armadas do velho Estado detiveram 15 pessoas, entre elas o viúvo de Macarena, Rubén Collío, e um menor de idade.

Conforme informado na edição n°207 de AND, Macarena, que tinha 32 anos, era defensora intransigente dos direitos mapuches, do sagrado direito à terra e dirigia uma luta contra um projeto do monopólio transnacional RP Global na mesma região em que foi assassinada. Segundo a comunidade local, tal projeto visa construir uma hidrelétrica e ameaça a biodiversidade, trazendo impactos negativos.

A própria comunidade onde Macarena vivia denunciou que ela sofria ameaças de morte efetuadas por pistoleiros a serviço da RP Global. Além disso, os mapuches denunciam que a empresa imperialista possui histórico de transgredir os direitos dos indígenas e o seu território original, que é de grande importância cultural, impondo uma série de instalações e restringindo a autonomia das massas mapuches sobre a terra.

Uma análise forense recente feita pela família de Macarena, junto da Diretora do Departamento de Anatomia e Medicina Legal da Universidade do Chile, revelou que a líder mapuche havia sido enforcada depois de morta, descartando a hipótese de “suicídio”.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza