Indonésia: População de Papua coloca fogo no parlamento e se revolta aos milhares

A- A A+

Foto: Reprodução

Papuas indígenas rebelados após décadas de opressão protestaram em 30 cidades da Indonésia, incluindo a capital Jacarta, no último dia 19 de agosto, após a circulação de vídeo de grupos paramilitares que assediaram racialmente estudantes da província de Papua. Os manifestantes queimaram um edifício do parlamento em Manokwari e uma prisão em Sorong. O governo indonésio censurou a internet em Papua e mobilizou centenas de tropas para reprimir os protestos.

Os vídeos, que provocaram os protestos, mostram paramilitares indonésios detendo 43 estudantes de Papua em Surabaya, no dia 17/08, por supostamente terem queimado a bandeira da Indonésia no Dia da Independência. Dezenas de paramilitares e oficiais militares cercaram o dormitório dos estudantes, chamando-os de "macacos", enquanto a polícia local invadiu o local para prendê-los. As “milícias” usaram insultos raciais e assédio semelhantes em Malang e Semarang.

Foto: Sevianto Pakiding/AFP

Após a circulação dos vídeos, milhares de manifestantes atearam fogo em lojas e veículos, derrubaram placas de rua e jogaram pedras em prédios do governo, de acordo com um repórter da AFP no local.

Papua é uma ex-colônia holandesa que declarou-se independente no início dos anos 1970, mas a vizinha Indonésia assumiu o controle da região rica em recursos naturais após um referendo de independência patrocinado pela Organização das Nações Unidas (ONU) que foi amplamente visto como uma farsa. A luta pela libertação nacional acontece há décadas no país, levada a cabo pelo Exército de Libertação Nacional de Papua Ocidental, e, um mês antes dos protestos de agosto, dois policiais indonésios haviam sido mortos pelos revoltosos, demonstrando a raiva das massas pelo braço armado do velho Estado e a sua vontade de se libertar. A região de Papua conta com a maior mina de ouro do mundo.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza